Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Exercício promove mudanças cerebrais que melhoram a depressão

Atividade física turbina a capacidade do cérebro aprender e se adequar, características importantes no combate a doenças mentais

Por Fabiana Schiavon
Atualizado em 3 set 2021, 19h15 - Publicado em 31 ago 2021, 19h46

Não é de hoje que os exercícios físicos são associados ao combate da depressão. Um dos motivos por trás desse efeito é a maior liberação de substâncias como serotonina, dopamina e endorfina, que causam uma sensação de bem-estar. Mas um novo estudo publicado na revista científica Frontiers of Psychology reforça que os ganhos podem ir além.

Os exercícios podem alterar certos padrões do cérebro e, assim, reduzir os sintomas depressivos, de acordo com experiência conduzida por pesquisadores da University Clinic for Psychiatry and Psychotherapy at Ruhr-Universität Bochum (RUB), na Alemanha.

“Há muitos estudos que relacionam a atividade física com a melhora o humor, mas esse trabalhou investigou se o exercício também é capaz de aumentar as conexões entre os neurônios, as chamadas sinapses, e a sua plasticidade, que é capacidade de mudança do cérebro”, conta o neurocirurgião Marcelo Valadares, pesquisador da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Na prática, a tal plasticidade favorece os processos de aprendizado e adaptação, importantes para evitar a perda de interesse por atividades básicas e a desmotivação – e ela aparece diminuída em indivíduos com depressão quando comparados com pessoas saudáveis.

Voltando à pesquisa: as avaliações foram conduzidas com 41 pessoas, que se dividiram em dois grupos. Um deles fez sessões de exercícios de uma hora, três vezes por semana. Estavam na agenda atividades ligadas a coordenação, resistência e fortalecimento. Além de variado, esse programa tinha um perfil mais divertido e, embora exigisse trabalho em equipe, não havia caráter competitivo.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Nova era no combate à depressão

Em comunicado oficial, Karin Rosenkranz, líder da experiência, comentou que isso promoveu especificamente a motivação e a união social, quebrando o medo de desafios e experiências negativas com a atividade física – algo que muitas pessoas vivenciam na escola.

Já o segundo grupo se dedicou apenas a práticas cognitivas, como jogos e cruzadinhas, por 90 minutos, duas vezes por semana.

Para entender as reações cerebrais a esses estímulos, foram feitos diversos exames ao longo do processo, como o de estimulação magnética craniana. “O aparelho ativa os neurônios e avalia quais áreas dão melhor resposta”, explica Valadares.

Continua após a publicidade

Após as análises, os cientistas notaram que a plasticidade cerebral melhorou significativamente com a prática regular de exercícios físicos, chegando a valores similares a de indivíduos saudáveis. Em paralelo, os sintomas depressivos diminuíram. Essas alterações não foram tão pronunciadas na turma que focou nos jogos cognitivos.

Hoje, movimentar-se já é visto como parte do processo de cura, defende a educadora física Monica Marques, diretora técnica da Cia. Athletica, em São Paulo, e membro do Global Health and Fitness Association (IHRSA). “Não é mais complemento, é parte do tratamento. Muitos alunos chegam com indicação de seus médicos”, nota a expert.

Como dar o primeiro passo

A escolha do tipo de esporte e o início da atividade são questões que devem ser avaliadas com a ajuda de médicos e educadores físicos, até porque a depressão tem diferentes causas e níveis. “É muito difícil conseguir que alguém com um quadro grave tenha práticas regulares antes do tratamento”, explica o neurocirurgião.

Para casos moderados e leves, os exercícios também são mais do que bem-vindos, e devem ser vistos como aliados da psicoterapia e de medicamentos indicados pelo psiquiatra, quando necessários.

Continua após a publicidade

Quanto mais apurado o diagnóstico, melhores serão as decisões. “Quem está muito estressado ou ansioso pode começar com exercícios de relaxamento, como ioga ou meditação, porque muda o padrão respiratório. A natação é outra opção, porque estimula a pessoa a manter o ritmo a cada braçada”, sugere Monica.

+ LEIA TAMBÉM: A carga emocional da pandemia entre os brasileiros

Exercícios que contribuem com a interação social também são excelentes, como demonstrou a pesquisa alemã. “Práticas coletivas e com música, principalmente, dão essa sensação de acolhimento. Dança e hidroginástica são exemplos”, indica a diretora da Cia. Athletica.

Caminhar, correr, pedalar e nadar merecem entrar no rol de possibilidades: são atividades cardiorrespiratórias que ajudam no combate à insônia, à perda de memória e ao ganho de peso, situações comuns na depressão.

Continua após a publicidade

No fim das contas, o principal mesmo é decidir pelo esporte que proporciona mais prazer.

Quem acha que está pronto para apertar o passo ou intensificar o ritmo, no entanto, precisa antes passar para um cardiologista. “É necessário verificar como está a saúde”, lembra Valadares.

Menos obrigação e mais recompensa

Tirar a pressão por resultado do exercício é fundamental para estimular quem está deprimido. Cada novo passo que se dá é importante para a evolução do tratamento.

De início, o foco deve ser na consistência. Fazer uma atividade física por 15 minutos diários é melhor do que suar a camisa por duas horas, só uma vez por semana. A frequência ajuda inclusive a mudar um hábito. Se a pessoa sedentária pula direto para duas horas de academia, a tendência é desistir e voltar para a inércia, porque esse momento será visto mais como uma punição do que um hobby.

Continua após a publicidade

“O nosso corpo é desenhado para conservar energia. Ao começar uma atividade, qualquer pessoa sentirá uma fadiga subjetiva, que é cérebro dizendo que prefere se preservar. Fazer mudanças graduais é uma forma de ‘enganar’ esse sistema”, explica o psiquiatra e nutrólogo Frederico Porto, de Belo Horizonte.

“Há uma campanha da Organização Mundial da Saúde chamada ‘Every Move Counts’ [Todo Movimento Conta], que é justamente para desconstruir a ideia de que a pessoa só terá bons resultados se cumprir a meta dos 150 minutos de exercícios semanais. Ganhar massa muscular e emagrecer não é mais importante do que manter uma boa saúde mental e emocional”, completa a professora.

Pensar em facilitadores para a prática é outro ponto fundamental. “Não adianta se matricular em uma aula presencial do outro lado da cidade”, exemplifica Porto.

Mas é bacana ter certa organização, estipulando um horário fixo para se mexer. Isso reduz o risco de desistência ao longo do dia. E quando bater a preguiça, pense na sensação de prazer que invade o corpo depois do fim da sua atividade favorita. Ela sempre vale o esforço.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.