Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O corpo foi feito para se movimentar: saiba por onde começar

Treinadores compartilham em livro um plano de ação a fim de recrutar músculos, articulações e companhia — inclusive as regiões mais esquecidas no dia a dia

Por Lucas Rocha
10 fev 2024, 12h01

É fato: o sedentarismo não só abre a porteira para diabetes, tumores e doenças cardiovasculares como encurta os anos de vida pela frente.

Outro fato: o estilo de vida atual, especialmente em grandes cidades, favorece esse comportamento para o qual o corpo humano não foi biologicamente projetado.

Então é hora de repensarmos quanto nos movimentamos na rotina. Eis a proposta do livro Você Foi Feito para Se Mover (clique para comprar), dos treinadores esportivos Juliet e Kelly Starrett.

+ Leia também: Fobia de academia: como superar a resistência e não deixar de malhar

Na obra, encontramos um programa de incentivo à implementação de práticas e exercícios no cotidiano, ativando áreas do organismo que muitas vezes ficam esquecidas, mas são importantes para o funcionamento geral — caso do abdômen e do quadril (veja abaixo).

saude-fitness-atividade-fisica-corpo-movimento-testes-mobilidade
Clique para ampliar (Ilustração: Josh McKible/Sextante/Divulgação)

“Queremos que você encare seus hábitos diários com um novo olhar, que busque oportunidades para se movimentar nos momentos em que antes isso pareceria impossível e repense o que significa estar em forma. Se você faz atividades físicas, o tempo e o esforço dedicados não são um desperdício – longe disso –, porém o corpo também precisa se mover ao longo do dia. Além disso, passar menos tempo sentado e mais tempo de pé traz uma série de benefícios”, afirmam os autores.

Continua após a publicidade

Além disso, são apresentados dez testes de mobilidade que permitem avaliar se você está enferrujado, confira alguns:

saude-fitness-atividade-fisica-corpo-movimento-testes-mobilidade
Clique para ampliar (Ilustração: Josh McKible/Sextante/Divulgação)

+ Leia também: Novo relógio esportivo promete mais precisão nas medições

Retrato do sedentarismo no Brasil

A falta de atividade física é um problema crônico no país. É o que revela a pesquisa Covitel 2023 (Inquérito Telefônico de Fatores de Risco para Doenças Crônicas Não Transmissíveis em Tempos de Pandemia).

Os dados do estudo indicam que apenas 31,5% dos brasileiros praticam pelo menos 150 minutos de atividade física moderada ou vigorosa por semana – a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para uma vida mais saudável.

Os pesquisadores observaram variações na adesão ao exercício de acordo com fatores como idade, sexo e escolaridade. Entre os menos ativos, estão os indivíduos com mais de 65 anos (18,9%). Já a faixa de idade que mais adere à prática é a de 25 a 34 anos (37,9%).

Continua após a publicidade

Leia também: Exercício reduz a ansiedade com o envelhecimento

Enquanto isso, homens (34,8%) se mostraram mais engajados que as mulheres (28,3%). Pouco mais de 20% do menos escolarizados, entre 0 a 8 anos de estudos, se movimentam regularmente. Por outro lado, mais de 48% daqueles com 12 anos ou mais de estudo estão longe do sedentarismo.

O levantamento contou com a participação de 9 mil pessoas, de todas as regiões do Brasil.

Continua após a publicidade

“Para reverter esse estado sedentário, comece com atividades simples: busque subir escadas ou faça caminhadas, como na ida ao trabalho”, orienta o ortopedista Gabriel Pecchia, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP).

saude-fitness-atividade-fisica-dados-sedentarismo
Clique para ampliar (Editoria de Arte/Veja Saúde)
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.