Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Menos sedentarismo, mais obesidade: a saúde brasileira mudou em uma década

A nova edição da pesquisa Vigitel, feita pelo Ministério da Saúde com mais de 50 mil pessoas, traz boas e más notícias sobre o estilo de vida no país

Por Chloé Pinheiro - Atualizado em 14 Maio 2020, 09h42 - Publicado em 13 Maio 2020, 19h40

Nos últimos dez anos, a porcentagem de tabagistas no país caiu quase pela metade, enquanto o consumo de álcool se manteve estável. Paralelamente, a obesidade se disseminou e os brasileiros estão se exercitando mais – o índice de fisicamente ativos saltou de 14,7% para 39%.

É o que aponta a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel). Para a nova edição, que reúne dados de 2019, cerca de 52 mil pessoas maiores de 18 anos foram ouvidas nas 26 capitais estaduais e no Distrito Federal.

Como é realizado anualmente, o levantamento permite traçar um panorama amplo da saúde e dos hábitos nacionais. Abaixo, listamos algumas das principais mudanças dos últimos dez anos.

Atividade física

O número de praticantes regulares de exercícios físicos cresceu significativamente, chegando a quase 40% dos indivíduos. O maior índice é de Palmas (TO), onde metade dos respondentes declara realizar ao menos 150 minutos de atividades moderadas no tempo livre por semana. Já São Paulo (SP), com 34,6%, ficou na última posição.

Continua após a publicidade

Em 2009, a parcela de adeptos era considerada modesta em todas as cidades estudadas – chegando a 10% em São Paulo, de novo a pior colocada, e a 21% em Vitória (ES), a campeã daquele ano.

Ou seja, temos um bom avanço. Mas vale destacar que 44,8% da população segue não atingindo a cota de atividade física recomendada.

Pior: 13,9% dos brasileiros são completamente sedentários. Entra nessa categoria quem não praticou nenhuma atividade no tempo livre nos últimos três meses e não faz esforço físico no trabalho nem no deslocamento para ele.

Obesidade e excesso de peso

Há dez anos, 13,9% da população apresentava obesidade — hoje são 20%. Entre os 45 e 64 anos, a taxa de obesos está na casa dos 24%. Já nos jovens, o número é de 19%. A doença é mais prevalente em pessoas com baixa escolaridade (menos de oito anos da vida estudando).

Continua após a publicidade

O sobrepeso cresceu em passo semelhante, de 46,6% para 55,4%. Ou seja, mais da metade dos brasileiros tem excesso de gordura corporal.

Tabagismo e álcool

Como resultado do endurecimento das leis antifumo, o tabagismo caiu significativamente no país. Se pouco mais de 15% dos adultos consumiam cigarros em 2009, agora são menos de 10%.

E os homens ainda fumam mais do que mulheres – 12,3% contra 7,7%.

Por outro lado, o consumo excessivo de álcool segue estagnado há uma década. Tanto em 2009 como agora, cerca de 18% dos entrevistados afirmaram ter abusado das bebidas em pelo menos uma ocasião nos 30 dias anteriores à entrevista. Em mulheres, isso equivale a quatro doses e, em homens, a cinco.

Continua após a publicidade

Tempo de tela

Chama a atenção que 62% dos adultos relataram passar mais de três horas do tempo livre por dia assistindo à televisão ou usando computador, tablet e celular. O hábito pode bagunçar a saúde mental e favorecer o sedentarismo, o que aumentaria o risco de desenvolver doenças crônicas como hipertensão.

Em 2009, o tempo dedicado aos dispositivos eletrônicos era uma preocupação menor. À época, o entretenimento passivo era calculado a partir da quantidade de televisão assistida. A saber, 25,8% dos brasileiros declaravam passar mais de três horas na frente do aparelho.

Publicidade