Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
regina pereira abc da comida ABC da Comida Há um universo de frutas, hortaliças, grãos e PANCs a explorar. E a jornalista expert em alimentação Regina Célia Pereira nos convida a degustar um a um nessa coluna que é uma feira de saberes e sabores.

Kiwi para dormir melhor

Ele é todo diferentão e, além de esbanjar vitaminas, há indícios de que favoreça o sono

Por Regina Célia Pereira Atualizado em 11 mar 2022, 16h47 - Publicado em 11 mar 2022, 16h40

Ao ver flores delicadas e um fruto revestido de casca felpuda, a professora Mary Isabel Fraser (1863 – 1942) recolheu algumas sementes da planta e levou ao seu país, a Nova Zelândia. Isso no início do século 20.

Assim começou a disseminação e a história de sucesso do alimento pelo mundo, que, antes de ser notado pela educadora, crescia naturalmente em florestas chinesas e era devorado por animais – daí o apelido “pêssego de macaco”.

Foi só nos idos de 1960 que passou a ser chamado pelo nome kiwi. A escolha veio da ave símbolo neozelandesa com seu corpo redondo e penugem marrom.

Apelo visual

Se essa embalagem do fruto, com jeito de pássaro, não apetece tanto, a beleza de seu interior enche a boca de água. A polpa translúcida, de centro branco, contém centenas de sementinhas pretas. Fatiado, enfeita pratos e copos.

Compartilhe essa matéria via:

Embora exista um tipo dourado, a variedade mais comum (a Actinidia deliciosa) tem recheio verde devido à presença de clorofila que, mesmo com o amadurecimento, não se degrada. Trata-se de uma característica rara em vegetais.

É por causa da oxidação dessa substância que, em forma de suco, apresenta coloração oliva pouco atraente para alguns.

Melhor usar em outras receitas ou saborear in natura, até porque, sem passar pelo calor, dá para aproveitar melhor sua riqueza – caso da abundância de vitamina C.

Aliás, no ranking de alimentos mais ricos nesse nutriente badalado pela ação em prol da imunidade, o kiwi, junto da goiaba e da acerola, aparece nas primeiras colocações.

Continua após a publicidade

Também concentra potássio e vitamina K, aliados da saúde cardiovascular.

Vale destacar ainda um mix de substâncias que mexem com a cuca. Nessa conta entram o magnésio, o ácido fólico e as fibras, que atuam em sinergia e dão um chega-pra-lá no mau humor.

Merece menção honrosa a presença de compostos envolvidos na melhora do sono. Há estudos apontando o elo entre o consumo do alimento no jantar com uma noite tranquila.

+ LEIA TAMBÉM: Alimentos fontes de melatonina podem favorecer o sono

Só não vale optar por uma caipirinha de kiwi como esse intuito. O álcool compromete o verdadeiro descanso, avisam especialistas.

Então, para poder sonhar com os anjos, a dica é escolher outra maneira de degustar o azedinho.

A música escolhida para essa coluna é “Fallen Fruit”, da neozelandesa Lorde, que traz reflexões sobre a destruição da natureza. Nessa versão, é cantada na língua dos Maoris, povo nativo daquele país.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)