Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

7 problemas comuns que afetam os cabelos – e o que fazer para revertê-los

Procedimentos químicos, alimentação e estresse podem danificar os cabelos. Entenda o porquê e evite oleosidade, queda, ponta dupla, frizz...

Por Thaís Manarini - Atualizado em 9 abr 2019, 10h53 - Publicado em 8 mar 2019, 18h57

Queda, descamação, oleosidade, frizz… as ameaças aos cabelos são muitas. Mas sem crise! SAÚDE listou setes problemas capilares pra lá de comuns no nosso país e ensina o que fazer para reverter a situação em cada um:

1) Queda

Essa é a principal queixa capilar nos consultórios. De acordo com a dermatologista Leila Bloch, de São Paulo, quando os fios caem além do normal por mais de três meses, é preciso marcar uma consulta para identificar a causa. “Pode ser um episódio de eflúvio. Nesse caso, o cabelo cresce de novo”, ensina.

Fatores como pós-parto, déficit de algum nutriente ou desbalanço hormonal estão entre os possíveis culpados pela perda. “Achando o motivo, buscamos resolvê-lo”, conta Leila.

Na calvície, a história muda. Como a origem do problema é genética, as medidas vão na linha de minimizar danos e atrasar o processo. Para isso, entram em cena loções, remédios, tratamentos à base de laser e até transplante capilar.

Doença nova na área

Os dermatos estão às voltas com um chabu recente: a alopecia frontal fibrosante. Ela tem acometido sobretudo as mulheres. Quando chega ao cabelo, deixando a testa enorme, já não há mais solução.

Por isso, se notar queda de fios das sobrancelhas, busque ajuda. É aí que o problema começa.

2) Descamação

A razão mais comum para o couro descamar, deixando a roupa cheia de plaquinhas brancas, atende pelo nome de dermatite seborreica – é a popular caspa. “Os homens têm mais propensão, já que o quadro está ligado a uma maior produção de sebo na área. E o hormônio masculino influencia nisso”, diz a dermatologista Aline Donati, da clínica DermaHair, em São Paulo.

A gordura extra serve de alimento para fungos que moram na cabeça. Eles degradam o óleo, liberando substâncias irritantes no couro. “Esse processo gera inflamação, que, por sua vez, leva à fabricação de mais gordura”, conta a dermato. Ou seja, é um ciclo sem fim.

Para dar pausa ao tormento, o primeiro passo é apostar em xampus anticaspa, próprios para combater o processo inflamatório e os micro-organismos. De acordo com a médica da DermaHair, como cada um age de forma diferente, o correto é eleger de dois a três e fazer rodízio.

Também evite banhos quentes, que contribuem para a oleosidade. Se necessário, o dermato receitará medicamentos.

3) Oleosidade

Alguns médicos estimam que 80% das pessoas têm algum grau de oleosidade no cabelo – pode ser leve, e nem incomodar, ou deixar o topo da cabeça brilhando de tanta gordura.

“E, quando a temperatura sobe, essa queixa se torna mais frequente”, nota a dermatologista Débora Cadore, de Florianópolis. “É que, ao ser exposta ao calor, a secreção sebácea fica líquida. Com isso, sai da glândula e passa para o cabelo com facilidade”, descreve.

Por causa da produção hormonal, certas fases da vida favorecem uma fabricação mais intensa de sebo. A adolescência é um exemplo clássico. “Mas, em grau leve, a oleosidade é até bem-vinda, porque hidrata a haste dos fios”, pondera Débora.

Não deixe de tratar

Controlar o excesso de sebo é crucial, pois ele resulta em inflamação no couro. Aí podem vir caspa e queda precoce. Para reduzir a gordura, basta usar xampus específicos – o anticaspa costuma dar conta.

4) Frizz

Esse termo se refere àqueles fios quebradinhos que ficam arrepiados, deixando a cabeleira desalinhada. O dermatologista Adriano Almeida, diretor da Sociedade Brasileira do Cabelo (SBC), diz que procedimentos químicos e térmicos, como escovas progressivas, além de uso de chapinha, secador e tinturas, são os principais motivadores das quebras.

Continua após a publicidade

Segundo a tricologista Mabe Gouveia, da clínica Valéria Marcondes, em São Paulo, é possível disfarçar a desordem com o uso de um reparador de pontas. “O produto ajuda a fechar a cutícula, a camada externa e de proteção dos fios”, justifica. Mas tem que utilizar com bastante parcimônia – caso contrário, o cabelo fica empastelado.

Bola de neve

Para dar uma sossegada nos cabelos revoltos, tem quem lance mão de chapinha e secador. Mas saiba: esses aparelhos podem ocasionar a quebra de novos fios. É frizz que não acaba mais.

5) Quebra

Enquanto o frizz é observado mais no topo da cabeça, tem fio que vai se partir só lá para o meio do comprimento. De novo, procedimentos térmicos e químicos estão por trás do quebra-quebra. “Eles alteram a textura do fio, deixando-o mais poroso”, esclarece Mabe.

Mas, se no frizz é preciso cautela ao escolher o produto – senão o couro acaba castigado com oleosidade -, aqui já é possível apostar em itens considerados mais pesados. Dá, por exemplo, para realizar uma reconstrução com queratina, a proteína que compõe o fio de cabelo.

Para chegar à dose certa (e não deixar o cabelo duro), vale a pena procurar um profissional.

Cabelos ao alto

Seja para ir à academia, amenizar o calor, seja para apenas mudar o visual, costuma-se prender os fios. Só não force demais a barra – ou melhor, o elástico. O aperto facilita a quebra. Portanto, dê poucas voltas. E priorize acessórios de algodão, tecido menos agressivo.

6) Cabelo seco

Embora ter couro oleoso seja comum, nem sempre essa gordura escorre para o cabelo direito. No caso de quem tem cachos, o formato do fio, em espiral, complica a distribuição da oleosidade. A chatice: cabelo seco quebra facilmente.

O jeito é recrutar produtos para repor a hidratação – e nem precisa correr para o salão. “Tudo o que for à base de óleos e gorduras pode ser usado em casa”, garante Aline, da DermaHair. Uma vez na semana está de bom tamanho.

Já madeixas naturalmente hidratadas tendem a encarar a secura após ser submetida a procedimentos. Aqueles que envolvem calor, por exemplo, desnaturam a proteína e removem a água no interior dos fios. “Aí eles ressecam”, avisa Cibele Lima, doutora em ciências farmacêuticas na área de cabelos pela Universidade de São Paulo (USP).

Alisamentos e descoloração também secam a cabeleira. Nesse contexto, melhor hidratar a cada 15 dias.

7) Ponta dupla

Não sabe como um fio de repente bifurca? É só lembrar que ele é revestido de uma camada de cutícula, e lá dentro existe uma espécie de conglomerado de filamentos mais fininhos, que são fibras de queratina. “Quando há um dano, mecânico, térmico ou químico, a cutícula se desgasta e essas faixas se separam”, relata Aline.

Em resumo: pontas duplas são sinal de que o cabelo está em apuros. Segundo ela, há diversas técnicas que funcionam como cimento para fechar as estruturas.

Uma opção são máscaras de reconstrução à base de aminoácidos, aplicadas geralmente em temperatura alta para melhor absorção. “Mas elas só corrigem parte do prejuízo”, diz a dermatologista.

Embora o procedimento devolva proteína ao fio, ele não retorna ao estado anterior à agressão. “É como se fosse um remendo”, compara Aline. Produtos para passar após o banho, como óleos reparadores, ajudam no disfarce do problema – até finalmente chegar o momento do corte.

Quando o problema é mais embaixo

Se os fios estão em franca queda ou quebrando com extrema facilidade, nem sempre a origem do enrosco é na cabeça. Há diversas condições capazes de se manifestar no cabelo, como anemia, déficit de nutrientes e disfunções na tireoide.

“Não adianta tentar estimular o cabelo de uma pessoa em situações assim”, avisa Adriano Almeida, diretor da SBC. Só corrigindo a desordem de base para ver os fios nascerem firmes e fortes.

Continua após a publicidade
Publicidade