Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Distúrbios do sono são diferentes em homens e mulheres

Elas sofrem mais com a insônia, eles roncam muito alto... Conheça as particularidades de cada sexo e como conseguir dormir melhor

Por Ana Luísa Moraes
Atualizado em 14 fev 2020, 18h27 - Publicado em 8 jun 2017, 16h48

Os problemas de sono atingem os sexos de maneira diferente, como reforçam os dados de um novo estudo da Universidade de Queensland, na Austrália. Comecemos logo de cara pela ala feminina: a avaliação, conduzida com 744 pacientes, apontou que elas apresentam sintomas mais severos de insônia e sonolência diurna.

“As mulheres também se sentem mais afetadas por essas desordens ao longo do dia” afirma John Malouf, que fez parte da pesquisa, em um comunicado. Por exemplo: o cansaço decorrente dessas situações provoca maior dificuldade de concentração e problemas de memória entre elas.

Em contrapartida, os cientistas constataram que, de tão potente, o ronco masculino é mais capaz de colocar o casal para dormir em quartos separados. E um adendo: a barulheira noturna é sinal clássico da apneia obstrutiva do sono, uma chateação associada a um risco aumentado de infarto e outros problemas cardiovasculares.

Os experts consideram as diferenças surpreendentes. “Apesar de ambos os sexos apresentarem idades similares na investigação, os sintomas e efeitos sobre suas vidas diferiram significativamente”, explica Allegra Boccabella, líder da análise. Eles ressaltam a importância de os médicos reconhecerem essas questões para que tratem cada paciente da forma mais eficiente possível.

Continua após a publicidade

 

 

A biomédica Monica Andersen, do Instituto do Sono, em São Paulo, conta que existem razões fisiológicas para essas disparidades: “Os homens naturalmente possuem um estreitamento da via aérea superior, o que causa mais propensão ao ronco”.

Já para as mulheres, a fonte do problema reside principalmente no ciclo menstrual: “A mudança hormonal ao longo do mês pode causar perturbações intensas. Elas têm mais dificuldade para iniciar e manter o sono e também lidam com o despertar precoce”, diz a especialista.

Apesar de ser fundamental consultar um especialista, algumas medidas fáceis ajudam a garantir um descanso reparador. Monica enfatiza: “A mais importante é dormir e acordar no mesmo horário. O organismo não gosta das oscilações de tempo”. Outra dica: nada de café ou bebidas estimulantes a partir do final da tarde. Para aqueles já atormentados por alguma disfunção, é bom evitar o nervosismo perto da hora de ir para a cama – o cortisol, hormônio do estresse, só piora a condição.

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.