BLACK FRIDAY: ASSINE a partir de R$ 1 por semana
Continua após publicidade

7 dúvidas comuns sobre o sarampo e a vacina, respondidas por uma médica

O surto dessa doença levantou questões principalmente sobre seus sintomas e a vacinação. Saiba como se prevenir do sarampo adequadamente

Por Da Redação
Atualizado em 29 Maio 2023, 11h50 - Publicado em 30 jul 2018, 17h53
  • Seguir materia Seguindo materia
  • O Brasil só esteve atrás da Venezuela em número de casos de sarampo nas Américas em 2018. E esse surto, aliado à campanha nacional de vacinação, fez muitas pessoas perguntarem sobre a doença desde 2018 – dos sintomas aos tratamentos – para seus médicos.

    Publicidade

    Coordenadora do Departamento Científico de Imunizações da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), a médica Ana Karolina Barreto Marinho reuniu algumas dessas dúvidas e as respondeu uma por uma. SAÚDE editou esse conteúdo abaixo:

    Publicidade

    1.Quem não sabe se já tomou a vacina deve se imunizar?

    Se não há comprovação de vacinação prévia, é importante tomar todas as doses recomendadas, sim. Elas estão disponíveis na rede pública – mais abaixo, você verá o protocolo adequado para cada idade.

    2. Caso a pessoa tome uma dose adicional, há risco para a saúde?

    Não. As reações alérgicas, raríssimas, tendem a aparecer na primeira dose.

    Publicidade

    3. A vacina do sarampo protege contra outras doenças?

    Sim. A versão tríplice viral estimula a produção de anticorpos contra sarampo, rubéola e caxumba. Já a tetra viral também afasta o risco de catapora (varicela).

    Continua após a publicidade

    4. Há algum componente na vacina do sarampo capaz de desencadear reação alérgica?

    Embora seja raro, componentes do imunizante podem causar reações alérgicas em indivíduos predispostos. O produto contém as seguintes substâncias potencialmente alergênicas: albumina humana, sulfato de neomicina (antibiótico), gelatina e traços de proteína do ovo de galinha. No Brasil, uma das vacinas empregadas na rede pública carrega traços de lactoalbumina (uma proteína do leite de vaca).

    Publicidade

    5. Quais os cuidados que os pacientes alérgicos devem ter?

    Foi demonstrado, em muitos estudos, que mesmo pessoas com alergia grave ao ovo possuem um risco baixíssimo de reações anafiláticas após tomarem suas doses contra o sarampo. No entanto, é indicado que esses indivíduos, por precaução, sejam vacinados em locais que ofereçam condições de atendimento de anafilaxia.

    Crianças com alergia grave ao leite de vaca (reações imediatas como anafilaxia) não devem receber a vacina tríplice viral, que contém lactoalbumina.
    Pelo sim, pelo não, os alérgicos a algum componente do imunizante podem conversar com seu médico antes de irem para o posto.

    6. Quantas doses da vacina eu preciso tomar e quando?

    Deve-se seguir o calendário orientado pelo Ministério da Saúde. O esquema vacinal contra o sarampo para crianças é de uma dose aos 12 meses (tríplice viral) e outra aos 15 meses (a tetra viral) de idade.

    Publicidade
    Continua após a publicidade

    Para a turma de até 49 anos que não cumpriu esse esquema, o Ministério preconiza:
    • Até os 29 anos: duas doses, da tríplice ou tetra viral
    • Dos 30 aos 49 anos: dose única, da tríplice ou tetra viral

    Quem já tomou duas dessas injeções durante a vida não precisa mais se preocupar. Mas em caso de surtos – ou mesmo durante campanhas de reforço da vacinação –, não custa tomar uma picada adicional. Nessas situações, siga as instruções das autoridades.

    As duas doses padrão garantem uma proteção de mais ou menos 90% contra o sarampo. E uma terceira poderia turbinar ainda mais nossas barreiras imunológicas.

    Publicidade

    7. Quais os sintomas do sarampo?

    O sarampo apresenta os seguintes sintomas: febre acompanhada de tosse persistente, irritação ocular, coriza e mal-estar intenso. Logo depois, as manchas avermelhadas no rosto, que progridem em direção aos pés, costumam dar as caras.

    Não há tratamento específico para o sarampo. O próprio corpo lida com o vírus, embora os médicos possam lidar com os sintomas e consequências dele.

    Continua após a publicidade
    Publicidade
    Publicidade

    Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

    Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

    A melhor notícia da Black Friday

    Assine VEJA SAÚDE pelo melhor preço do ano!

    BLACK
    FRIDAY

    MELHOR
    OFERTA

    Digital Completo
    Digital Completo

    Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

    a partir de R$ 2,00/semana

    a partir de R$ 1,00/semana*
    (Melhor oferta do ano!)

    ou

    BLACK
    FRIDAY
    Impressa + Digital
    Impressa + Digital

    Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

    a partir de R$ 12,90/mês

    a partir de R$ 9,90/mês
    (Melhor oferta do ano!)

    ou
    ou ainda

    *Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app. Acervos disponíveis a partir de dezembro de 2023.
    *Pagamento único anual de R$52, equivalente a R$1 por semana.