Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Intolerância e alergia ao leite são a mesma coisa?

De jeito nenhum! Explicamos as diferenças para você

Por Redação Saúde é Vital
Atualizado em 8 nov 2018, 10h47 - Publicado em 13 set 2016, 06h30

Embora muita gente confunda as duas condições e o culpado seja o mesmo alimento, elas são bem diferentes. Na intolerância, o problema está na carência da enzima que digere a lactose, que é um açúcar. Trata-se de uma reação do intestino, portanto. Já a alergia constitui uma resposta do sistema imune a uma proteína do leite de vaca. Esse nutriente, geralmente muito bem-vindo, é visto como um inimigo. Aí as células de defesa partem para o ataque. As consequências podem envolver diversos órgãos, provocando inchaço nos lábios, coceira, manchas avermelhadas na pele, tosse, falta de ar e… diarreia. Os quadros mais severos chegam a levar ao choque anafilático e até a morte. Por vezes, a alergia surge nos primeiros meses de vida, mas a boa notícia é que tende a desaparecer até os 5 anos de idade.

As diferenças no cardápio 

O intolerante, na maioria das vezes, só precisa ajustar a dose diária de lactose que seu organismo suporta. Já o alérgico deve suprimir da dieta toda e qualquer presença da proteína do leite de vaca, inclusive alimentos com traços mínimos desse nutriente. No segundo caso, também saem de cena medicamentos e até produtos de higiene cujas fórmulas contemplem ingredientes à base da proteína.

Continua após a publicidade

Dá para perceber que o impacto no cardápio de quem tem alergia é maior, certo? O bebê que está mamando no peito tem garantida sua porção de cálcio e vitaminas, porque não é preciso interromper o aleitamento. A mãe, sim, precisa ficar bem atenta, evitando comer qualquer item com a proteína do leite de vaca na composição.

O acompanhamento de pediatra e nutricionista se mostra fundamental para evitar equívocos capazes de levar os pequenos à desnutrição. Na fase pós-aleitamento materno, a criança passará a tomar leites infantis especiais, feitos de proteínas hidrolisadas, ou seja, quebradas em moléculas muito menores e, portanto, com baixo potencial de disparar uma reação alérgica. Se esse cuidado não for suficiente, pode-se lançar mão de fórmulas à base de aminoácidos (mais quebrado, impossível).

Aos maiorzinhos que tiverem de seguir sem ingerir leite, queijos e iogurtes será preciso oferecer outras fontes de cálcio, reforçando no menu ingredientes como sardinha, brócolis e folhas verdes. Mesmo assim, é recomendável manter visitas regulares a um especialista para receber orientações e, se for o caso, a indicação de suplemento desse mineral.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.