Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mais de 2 mil casos de sarampo são registrados nas Américas

O Brasil é segundo país com mais episódios dessa doença, atrás apenas da Venezuela, segundo a Opas. Veja o que deve ser feito para conter os surtos

Por Paula Laboissière (Agência Brasil)
25 jul 2018, 18h42

A Até 20 de julho, a região das Américas contabilizou, em 2018, 2 472 casos confirmados de sarampo, segundo dados da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). O número é mais de seis vezes superior ao registrado até 6 de abril, quando haviam 385 episódios. De acordo com a entidade, isso demonstra a velocidade de propagação da doença, altamente contagiosa, e da necessidade de vacinação.

O último boletim epidemiológico da organização aponta que pelo menos 11 países das Américas já notificaram casos confirmados de sarampo até o momento: Antígua e Barbuda (1), Argentina (5), Brasil (677), Canadá (19), Colômbia (40), Equador (17), Estados Unidos (91), Guatemala (1), México (5), Peru (3) e Venezuela (1 613). Dito de outra forma, ficamos em segundo lugar, atrás apenas da Venezuela.

Por meio de comunicado, a entidade destacou que o vírus do sarampo permanece ativo e contagioso no ar ou em superfícies infectadas por até duas horas e pode ser transmitido por uma pessoa infectada a partir de quatro a seis dias antes e quatro dias depois do aparecimento de erupções cutâneas (vermelhidão na pele).

“Por esse motivo, a Opas volta a destacar a necessidade de os países das Américas intensificarem as atividades de vacinação e vigilância, para prevenir e combater a propagação da doença”, destacou a organização.

A situação do sarampo no Brasil

No Brasil, a Opas colabora com ações para controle de surtos de sarampo em dois estados: Amazonas (444 casos confirmados, a maioria em Manaus) e Roraima (216). Na capital amazonense, o aumento exponencial levou a prefeitura a decretar situação de emergência.

Também foram registradas infecções por sarampo casos consideradas isoladas e relacionadas à importação no Rio Grande do Sul (8), no Rio de Janeiro (7), em Rondônia (1) e em São Paulo (1). O cenário, segundo a entidade, representa um risco real de propagação da doença para outros estados e para países vizinhos.

“A Opas está apoiando as atividades de vacinação, vigilância, gestão, informação, educação, comunicação de risco, resposta rápida e mobilização de recursos no estado do Amazonas, em coordenação com as autoridades de saúde nacionais, estaduais e municipais.”

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo acontece de 6 a 31 de agosto, com o chamado Dia D de Mobilização Nacional agendado para 18 de agosto. Todas as crianças com idade entre 1 e 5 anos devem ser levadas aos postos de saúde – mesmo que já tenham sido imunizadas anteriormente.

Continua após a publicidade

Retrocesso nas Américas?

A região das Américas foi a primeira em todo o mundo a ser declarada, em 2016, como livre do sarampo. A doença pode causar graves problemas de saúde, como pneumonia, cegueira, inflamação do cérebro e até mesmo a morte. A Opas alertou que, até que o vírus seja erradicado em todo o mundo, há sempre o risco de um país ou continente registrar casos importados.

“Por isso, é importante tomar medidas para prevenir a introdução e disseminação do vírus do sarampo. A principal delas é a vacinação da população suscetível, mantendo no território nacional uma cobertura homogênea de 95% com a primeira e a segunda dose da vacina”, reforçou.

A ação, de acordo com a entidade, deve ser combinada com a implementação de um sistema de vigilância de alta qualidade e sensível o suficiente para identificar fluxos migratórios do exterior (chegada de estrangeiros) e fluxos internos (movimentos de grupos populacionais), além de detectar quaisquer casos suspeitos e realizar ações de bloqueio vacinal (imunizar pessoas que tiveram contato com o caso suspeito) de forma oportuna.

Este conteúdo foi publicado originalmente na Agência Brasil.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.