Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

É normal os jovens terem disfunção erétil?

Pesquisas indicam aumento nos casos de impotência sexual entre os mais jovens. O que está por trás disso?

Por João Brunhara, urologista* 3 jun 2022, 11h59

Quando falamos em disfunção erétil, ou impotência sexual, normalmente pensamos em homens maduros, acima dos 60 anos de idade. Afinal, ela é até uma consequência esperada do envelhecimento.

Mas, nos últimos tempos, relatos e estudos chamam a atenção para a ocorrência do problema entre os mais jovens. Além disso, pesquisas apontam que os jovens têm usado medicamentos para disfunção erétil com cada vez mais frequência.

Bem, é normal homens jovens terem disfunção erétil? Será que de fato estão apresentando essa condição?

De fato, estudos recentes mostram que a impotência sexual atinge um número alto de jovens, contrariando o senso comum. Uma pesquisa do Datafolha em parceria com a plataforma Omens mostrou que, entre brasileiros de 18 a 35 anos, 38% relataram algum grau de dificuldade com a ereção.

É um número compatível com o de levantamentos internacionais, que indicam que aproximadamente 30% dos homens jovens possuem algum grau de disfunção erétil.

O que explica esses números tão altos? Se por um lado a disfunção erétil de homens mais velhos tem causas físicas, como diabetes ou problemas de circulação, a impotência dos jovens acontece predominantemente por questões emocionais e psicológicas.

+ LEIA TAMBÉM: Psiquiatra explica por que busca desenfreada por prazer leva a mais sofrimento

Um dos principais gatilhos é a ansiedade, motivada por inexperiência, medo de decepcionar ou preocupação excessiva com a performance. Ela promove uma descarga de adrenalina, que fecha as artérias do pênis e corta a ereção.

Continua após a publicidade

Outra possível causa de disfunção erétil entre os jovens é o consumo desenfreado de pornografia, assim como masturbação em excesso, e um predomínio de interações e atividades digitais em detrimento de relações interpessoais.

Trabalhos recentes revelam que a pornografia pode causar distorções da autopercepção e da apreciação de parceiras(os), tornando as experiências do mundo real desconfortáveis e frustrantes.

Os conceitos de “normal” ou “adequado” dependem, sim, da referência de cada um. Mas é inegável que mais homens jovens estejam sofrendo com a disfunção erétil. Via de regra, ela tem origens psíquicas, e isso pode (e deve) ser tratado para ter ou recuperar uma boa vida sexual.

Compartilhe essa matéria via:

* João Brunhara é urologista, médico do Hospital Israelita Albert Einstein (SP) e diretor da Omens, plataforma que trata problemas de saúde sexual masculina

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)