Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Alimente-se

Comer é muito mais do que ingerir nutrientes. Na receita de uma alimentação equilibrada, também há ingredientes comportamentais, emocionais, culturais e ambientais, como mostra a nutricionista Lara Natacci
Continua após publicidade

Atlas Mundial da Obesidade traz dados preocupantes. Que fazer?

Nova edição do mapeamento escancara crescimento do excesso de peso pelo globo. Nossa colunista elenca medidas essenciais para enfrentá-lo

Por Lara Natacci
27 Maio 2022, 10h58

O Atlas Mundial da Obesidade de 2022 mostra que o número de pessoas acima do peso aumenta a cada ano. A projeção é que, até 2030, teremos 1 bilhão de pessoas com obesidade pelo mundo. E, no Brasil, 33% das mulheres e 26% dos homens serão considerados obesos.

A obesidade começou a ganhar escala epidêmica nos países desenvolvidos no final do século 20. E o fenômeno vem se tornando global, atingindo países e pessoas de todos os níveis socioeconômicos. Atualmente, dados do Ministério da Saúde apontam que mais da metade da nossa população tem excesso de peso e um quarto dos adultos convive com a obesidade.

É uma condição de difícil controle, com idas e vindas, e capaz de trazer danos físicos e emocionais, principalmente nas formas mais graves.

Alguns estudos indicam que a obesidade tem origens genéticas e ambientais e envolve consumo energético excessivo, diminuição da atividade física, aspectos sociais, culturais, econômicos e psicológicos, além de anormalidades metabólicas e hormonais.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: O que a ciência prescreve contra o ganho de peso

Acredita-se, porém, que a grande prevalência da obesidade hoje esteja relacionada a condições nutricionais desequilibradas, com maior aporte calórico e ingestão inadequada de alguns tipos de alimentos.

Com as crianças a situação também não é muito animadora. O Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) apontam que 12,9% das crianças brasileiras entre 5 e 9 anos de idade têm obesidade, assim como 7% dos adolescentes na faixa etária de 12 a 17 anos.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Outras colunas da nutricionista Lara Natacci

O que se considera obesidade

As faixas de peso são determinadas de acordo com o índice de massa corporal, o IMC. Ele é calculado dividindo o peso (em quilos) pela altura ao quadrado (em metros).

Um IMC acima de 25 para adultos já é considerado excesso de peso. Acima de 30, é classificado como obesidade.

Continua após a publicidade

Quanto mais alto for esse número, mais grave é a obesidade e maior o risco de desenvolver uma série de outras doenças, como diabetes tipo 2, hipertensão, problemas cardiovasculares, AVC, alguns tipos de câncer, fora transtornos de ordem psicológica, como ansiedade e depressão.

Mas você acha que, para prevenir ou tratar a obesidade, basta comer menos e se exercitar mais? Esses dois comportamentos são fundamentais, porém existem outros aspectos que precisam ser considerados. Não pensar neles pode até piorar o quadro. E convém lembrar que, em alguns casos, medicamentos ou mesmo cirurgia bariátrica precisam ser prescritos.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Conselhos para controlar o peso

Abaixo listo algumas orientações que têm de ser levadas em conta ao planejar a perda de peso ou mesmo evitar os quilos a mais. A alimentação, claro, tem papel crucial, mas as medidas não se resumem à dieta.

• Coma de forma consciente, prestando atenção a tudo o que cerca o ato de comer. Podemos e devemos usar os cinco sentidos ao contemplar a mesa, mastigar lentamente e saborear com prazer as refeições;

• Durma bem, se possível de sete a nove horas por noite. Isso permite que o metabolismo funcione adequadamente durante o dia;

Continua após a publicidade

• Gerencie o estresse com atividades de lazer e de relaxamento;

• Cuide do seu ambiente, para que ele proporcione boas escolhas alimentares e oportunidades para a movimentação do corpo;

• Hidrate-se, tomando, de preferência, de 1,5 a 2 litros de água por dia;

• Alimente-se de forma equilibrada, sem exageros ou restrições severas;

• Exercite-se regularmente.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.