Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Jejum intermitente não é melhor que restrição calórica para perder peso

Estudo que acompanhou pessoas com obesidade durante um ano não encontrou benefícios adicionais dessa prática para o emagrecimento

Por Fabiana Schiavon Atualizado em 11 Maio 2022, 14h09 - Publicado em 11 Maio 2022, 13h58

Pesquisadores chineses aplicaram um tipo de jejum intermitente em pessoas com obesidade por um ano para avaliar seu potencial na perda de peso. Mais uma vez, no entanto, a conclusão é que ficar longos períodos sem comer não traz benefício adicionais em quem precisa reduzir a cintura – segundo o artigo, o importante é fazer uma restrição calórica.

O estudo publicado no The New England Journal of Medicine ganhou destaque pelo tempo em que os participantes foram observados. Enquanto a maioria das pesquisas aplica esses métodos por alguns meses, nesse caso os voluntários foram acompanhados por um ano.

Para fazer a comparação, 139 pessoas foram dividas em dois grupos. Parte adotou um formato de jejum intermitente em que é permitido comer apenas entre 8 horas da manhã e 4 da tarde.

A outra turma podia se alimentar em qualquer horário, porém precisava ingeria o mesmo número de calorias dos que estavam fazendo o jejum. Foi definido que homens comeriam de 1500 e 1800 calorias, e mulheres, de 1200 a 1500.

Após 12 meses, os cientistas notaram que o jejum não proporcionou uma redução de peso corporal ou da diminuição de gordura estatisticamente maior.

+ LEIA TAMBÉM: Jejuar ou não: eis a questão

Essa pesquisa tenta responder se o jejum intermitente induz o organismo a acelerar a queima de calorias, ou se a perda de peso observada em regimes nessa prática dá as caras apenas por causa da menor ingestão de comida. De acordo com ela, é a segunda opção que faz sentido.

“Fiz uma revisão sobre o tema, e a maioria dos estudos já demonstrava que ficar o jejum intermitente só tem efeito positivo quando a pessoa o usa como forma de ingerir menos calorias”, acrescenta Bruno Halpern, endocrinologista do Hospital Nove de Julho, em São Paulo.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Atenção: para algumas pessoas, restringir horário de comer pode culminar em menor comilança. Há quem, por exemplo, naturalmente dispense o café da manhã ou não goste de jantar. Para essa turma, o jejum intermitente talvez funcione.

“Mas não significa que a prática é um fórmula mágica de emagrecimento”, reforça Halpern.

Além disso, essa história de proibir a alimentação em certos horários é uma cilada para outros grupos. “Após passar muito tempo sem comer, quem tem tendência a transtornos alimentares ou de ansiedade pode descontar em itens mais fáceis e rápidos, como frituras”, lembra o nutricionista Thiago Monteiro, do Rio de Janeiro.

A escolha errada dos alimentos não leva ao emagrecimento e ainda pode prejudicar a saúde como um todo.

Para Monteiro, não há uma receita pronta para todos. “O melhor método é aquele que a pessoa consegue incorporar por toda a vida. Não adianta fazer algo por um período e depois abandonar”, defende Monteiro.

+ LEIA TAMBÉM: Jejum pode reduzir o gasto calórico e aumentar a fome

Para além da perda de peso

Outra discussão em relação ao jejum intermitente envolve a escolha por comer apenas durante o dia e pular as refeições noturnas. “Isso porque o organismo foi feito para ingerir comida durante o dia e jejuar à noite, quando vamos dormir”, contextualiza Halpern. “Nesse caso, até pode haver uma melhora na pressão sanguínea e na resistência à insulina. Mesmo assim, esses pontos continuam controversos”, avalia.

diversos outros estudos que tentam descobrir possíveis benefícios do jejum intermitente na prevenção e até no tratamento de doenças crônicas, como o diabetes. Mas os resultados, até o momento, estão longe de firmarem uma conclusão mais sólida.

Os principais protocolos de jejum intermitente

  • 16 por 8: são 16 horas sem comer (o sono pode entrar na conta)
  • 5 por 2 de restrição: Em dois dias da semana (que não sejam seguidos), comer apenas 500 calorias
  • 5 por 2 de jejum completo: Não comer nada durante dois dias da semana. Nesse caso, os dias de jejum total não podem ser seguidos
  • Dia sim, dia não: Um dia come à vontade, e no outro não ingere nada (ou quase nada)
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês