Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Menos exercício e vegetais, mais depressão: a vida brasileira na pandemia

Nova pesquisa investiga como os hábitos e o estado de saúde de milhares de pessoas mudaram com a chegada do coronavírus

Por Chloé Pinheiro 29 abr 2022, 15h31

A saúde e os hábitos dos brasileiros pioraram na pandemia de Covid-19, elevando o risco de doenças crônicas como diabetes, câncer, obesidade e hipertensão. É o que revela a nova pesquisa Covitel, que ouviu por telefone 9 mil brasileiros de todas as regiões do país. 

O levantamento foi desenvolvido pela Vital Strategies e pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), com apoio da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). Os participantes foram questionados sobre seu estilo de vida e doenças em dois momentos: antes da pandemia e no primeiro trimestre de 2022. 

Entre os principais achados, um aumento de 91% na porcentagem de brasileiros que avaliam mal a própria saúde e de 41% no diagnóstico de depressão. Além disso, menos de 40% das pessoas relataram comer verduras e legumes periodicamente (queda de 12% em relação ao período pré-pandêmico) e 52% estão acima do peso. 

Compartilhe essa matéria via:

“O Covitel mostrou que a pandemia atrapalhou o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, aumentando alguns comportamentos de risco, como a inatividade física”, reforçou em comunicado à imprensa o epidemiologista Pedro Hallal, professor da UFPel e um dos coordenadores da pesquisa. 

Hábitos alimentares 

Além dos legumes e verduras, as frutas também deram uma sumida do cardápio dos brasileiros. Antes da pandemia, 43% dos respondentes comiam regularmente. Agora, o número está em 38%.

O ideal, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), é comer cinco porções de vegetais ao dia para prevenir doenças e ter mais qualidade de vida.

+ Leia também: A conta certa de vegetais por dia para você ter mais saúde

Continua após a publicidade

A alta no preço dos alimentos e a crise econômica podem explicar essa mudança. Tanto que apenas 27% das pessoas que não estão trabalhando relataram ingerir regularmente legumes e verduras, ante 43% dos empregados. 

Por outro lado, o consumo de bebidas açucaradas, como refrigerantes e sucos artificiais, cinco ou mais vezes na semana caiu de 22 para 17%. Uma boa notícia, já que a categoria é uma das mais associadas ao excesso de peso, que foi relatado por mais da metade dos participantes. 

A obesidade atinge 21% da amostra, porcentagem condizente com a prevalência estimada da doença no país.

Inatividade física e tempo de tela

O sedentarismo, outra ameaça à saúde, avançou durante a pandemia. Na pesquisa, 13% das pessoas afirmaram ser totalmente inativas (não realizar atividades físicas no lazer, trabalho ou deslocamento) antes da pandemia. Em 2022, o número subiu para 18% dos respondentes. 

Já a taxa de pessoas que praticam ao menos 150 minutos de atividade física de intensidade moderada (o mínimo necessário, segundo a OMS) caiu de 37% para 30%. “E isso aconteceu ao mesmo tempo em que os hábitos alimentares pioraram”, acrescentou Hallal na divulgação da pesquisa. 

+ Leia também: Atividade física sempre: antes, durante e depois da pandemia de Covid-19

Ou seja, uma combinação nada saudável. Junta-se a isso o tempo de tela, que não teve grande flutuação, até porque já era bem alto: 56% dos entrevistados afirmaram passar mais de três horas diárias em frente a um dispositivo eletrônico antes da pandemia. Agora o índice está em 58%. 

Os achados mostram o que os especialistas já vinham alertando: precisamos retomar os cuidados com a saúde para além da prevenção do coronavírus, urgentemente.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)