Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Covid-19 grave aumenta risco de doença mental depois da alta hospitalar

Os pesquisadores acompanharam a evolução de 425 pacientes entre seis e nove meses após a internação por meio de entrevistas e testes psiquiátricos

Por Gabriela Cupani, da Agência Einstein*
1 jun 2022, 12h41

Pacientes que tiveram Covid-19 moderada ou grave apresentam alta prevalência de transtornos psiquiátricos como ansiedade, depressão e estresse pós-traumático, além de perdas cognitivas relacionadas a memória e atenção, meses depois da alta hospitalar. Isso é o que mostra um estudo conduzido pelo Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, publicado no periódico General Hospital Psychiatry

O artigo apresenta resultados preliminares do acompanhamento de 425 pacientes avaliados entre seis e nove meses após a internação. Todos foram internados no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo entre os meses de março e setembro de 2020. Aqueles tratados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) foram considerados graves e os demais, moderados. Para o estudo, foram submetidos a entrevista psiquiátrica e testes cognitivos.

Os achados apontam uma prevalência de transtorno mental comum de 32,2% neste grupo de pacientes pós-covid – um percentual maior do que o observado na população geral brasileira (21,1%).

+Leia também: Para que realmente serve a azitromicina?

A ação direta do coronavírus no cérebro, além da própria inflamação e das alterações de coagulação causadas pela doença, estaria por trás desses danos a longo prazo – a famosa covid longa. “Muito possivelmente o vírus provoca uma afecção direta no sistema nervoso central”, diz Rodolfo Furlan Damiano, psiquiatra do Hospital Israelita Albert Einstein e um dos autores da pesquisa. 

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Os cuidados

“Nas questões psiquiátricas, como depressão e ansiedade, temos observado uma boa resposta com os medicamentos usuais”, observa Damiano. 

Em relação à fadiga e aos sintomas cognitivos, como perda de memória, pouco se sabe ainda. Mas os médicos já têm algumas pistas: “Há os pacientes que se recuperam totalmente. Já naqueles com doenças degenerativas, como o Alzheimer, a Covid pode acelerar sua progressão”, observa. Nesse cenário, a recuperação se torna mais desafiadora. 

Os resultados do estudo ressaltam a importância da vacinação para reduzir os danos causados pela doença. “Sabe-se que o impacto da Covid é muito menor nos casos leves”, complementa Damiano. 

Continua após a publicidade

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Depressão no mundo

No primeiro ano da pandemia, houve um aumento global de 25% nos casos de depressão e ansiedade, segundo um relatório recente da Organização Mundial da Saúde (OMS). Além da doença em si, condições como o isolamento social, perdas financeiras, medo e luto estão por trás desse crescimento. 

“Um grande estudo recente, publicado na revista The Lancet, mostra que, em países de baixa renda, apenas 27% dos pacientes com depressão têm acesso a serviços de saúde mental. E só 6% deles têm acesso ao tratamento farmacológico e psicoterápico adequado”, diz o psiquiatra Luiz Zoldan, também do Hospital Israelita Albert Einstein.

*Este conteúdo foi produzido pela Agência Einstein

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.