Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Azitromicina: o que é, para que serve, como tomar e cuidados

Esse antibiótico trata diferentes bactérias, mas não funciona contra a Covid. Conheça a azitromicina, dos benefícios às reações adversas

Por Fabiana Schiavon Atualizado em 20 jun 2022, 15h33 - Publicado em 27 Maio 2022, 12h16

A azitromicina é um antibiótico que serve para o tratamento e prevenção de infecções causadas por um grupo específico de bactérias. A forma de uso depende muito da doença a ser tratada e do perfil do paciente, e demanda prescrição do médico. O remédio foi testado no combate a sintomas e casos graves de Covid-19, mas não se mostrou eficaz.

Diferentes farmacêuticas produzem a azitromicina. Ela pode ser encontrada como Zitromax ou Azi, entre outros nomes comerciais. Ou mesmo como azitromicina, na forma genérica. Saiba mais.

+Leia mais: Fluoxetina: o que é, para que serve e como funciona esse antidepressivo

O que é e para que serve?

Trata-se de um antibiótico utilizado contra infecções causadas por alguns tipos de bactérias, principalmente as respiratórias e as sexualmente transmissíveis (ISTs).

“O medicamento se liga à estrutura das bactérias e interfere na produção de proteínas essenciais à vida desses micro-organismos”, explica a farmacêutica Carolina Xaubet, do Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos do Conselho Federal de Farmácia (Cebrim/CFF).

De acordo com a bula, o medicamento é eficaz no tratamento de infecções respiratórias no trato inferior (pulmões), como bronquite e pneumonia, e no superior (nariz e garganta), como sinusite, faringite e otite.

Compartilhe essa matéria via:

Combate também a febre reumática, que surge quando a bactéria streptococcus pyogenes ataca a garganta e, em algumas pessoas, leva a uma reação exagerada do sistema imune. A azitromicina age ainda contra certas ISTs, como clamídia, cancro mole e gonorreia.

+Leia também: Para que serve a prednisona

Posologia da azitromicina: como usar?

É fundamental seguir a receita médica. Em geral, a azitromicina é administrada em dose única diária, com o tempo de tratamento direcionado pelo profissional de acordo com cada diagnóstico. A maioria das indicações, no entanto, se restringe a alguns dias.

Em relação aos comprimidos, eles estão à venda em farmácias apenas com apresentação de receita de médico ou dentista, em duas vias. As doses injetáveis são ministradas em ambiente hospitalar. A maior diferença entre essas formas de uso é o tempo de efeito do remédio.

Enquanto a versão injetável começa a agir em até duas horas depois da picada, o comprimido leva até três horas para ser absorvido pelo organismo.

“É o médico quem determina qual a dose, a duração do tratamento e a via de administração mais adequadas para cada caso”, reforça Carolina.

+Leia também: para que serve o cetoprofeno

Reações adversas

A lista relatada na bula oficial do medicamento é extensa. Porém, os efeitos colaterais mais comuns são os transtornos gastrointestinais, como enjoo, vômito, diarreia, dor de estômago e cólica. Entretanto, essas encrencas costumam desaparecer com o tempo, sem repercussões preocupantes.

“Pode haver ainda deficiência auditiva, zumbido, tontura, reação alérgica (coceira e bolhas na pele) e inflamação da vagina”, relata a farmacêutica do CFF.

“Com a administração de azitromicina pela via intravenosa, podem ocorrer inflamação ou dor no local da aplicação, além de efeitos tóxicos ao coração”, alerta Carolina.

E cuidado com a interação medicamentosa! Dependendo de outros remédios utilizados, a eficácia cai e reações adversas dão as caras. Informe o médico sobre eventuais tratamentos que esteja fazendo.

+Leia também: O que é a nimesulida e quais suas indicações?

Cuidados ao usar azitromicina e riscos da automedicação

“A automedicação é um tiro no escuro. A pessoa pode errar o alvo e ainda retardar a identificação e resolução do problema”, lembra Carolina, do CFF. Sem contar as despesas com remédios errados.

Continua após a publicidade

A necessidade de prescrição médica reduz a possibilidade de consumir a azitromicina de forma inadequada, mas isso pode ocorrer. Se for o caso, há risco de intoxicação severa devido à dose errada ou interação com outros medicamentos e até alimentos. Além disso, há probabilidade de sobrecarga no fígado, o que pode terminar em consequências sérias.

Do ponto de vista de saúde pública, o uso indiscriminado de antibióticos contribui para a resistência bacteriana. Isso culmina no surgimento de superbactérias, que não respondem aos medicamentos convencionais. Essa é uma preocupação global.

Uso em crianças

O remédio só deve ser ministrado em crianças com mais de 45  quilos. A dose muda conforme, o tamanho da criança e a necessidade médica.

De novo: converse com o médico.

+Leia também: Quando tomar amoxicilina?

Idosos e grupos de risco

Pacientes mais velhos exigem uma dose adicional de cautela, pois tendem a tomar outros medicamentos que não raro interagem mal ou anulam o efeito da azitromicina.

Essa interação com outros remédios ou até alimentos tem potencial para deflagrar inclusive danos cardíacos. Daí porque a azitromicina deve ser ministrada com cautela em indivíduos com arritmia cardíaca ou insuficiência cardíaca clinicamente relevante.

Por conter açúcar, a medicação também pode ser danosa a quem possui diabetes, dependendo do paciente, da dose e do tempo de uso.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Gravidez e amamentação

Como não há estudos suficientes da medicação com mulheres grávidas, a indicação é que a azitromicina só seja utilizada por gestantes se houver extrema necessidade. O uso durante a amamentação deve ser avaliado pelo médico.

Por que a azitomicina tentou ser utilizada no tratamento da Covid e falhou?

Há duas situações diferentes. A primeira: com início da pandemia do coronavírus, muitos profissionais começaram a testar diferentes fármacos na tentativa de conter a Covid-19. Como a azitromicina exerce um anti-inflamatório, imaginou-se que ela poderia ser benéfica no combate aos sintomas da doença.

Aí surgiu um estudo francês afirmando que o uso combinado da hidroxicloroquina com a azitromicina trazia efeitos excelentes contra a Covid-19. No entanto, uma análise mais cautelosa mostrou erros graves e possibilidade de fraude no trabalho. O problema é que, aí, o uso da medicação já havia sido politizado.

Pesquisas subsequentes comprovaram que a azitromicina não funciona no combate direto ao Sars-CoV-2, seja em fases mais precoces ou avançadas da doença. Aliás, um amplo estudo brasileiro publicado há dois anos se juntou aos outros trabalhos que revelam a ineficácia em pacientes com Covid-19.

A própria Organização Mundial de Saúde (OMS), que havia desenvolvido um protocolo de pesquisa com a droga, desistiu do medicamento por causa dos resultados fracos.

+ Leia também: Conheça o molnupiravir, o antiviral para tratar a Covid aprovado no Brasil

O Instituto Nacional de Excelência Clínica (Nice), do Reino Unido, publicou uma diretriz para o tratamento da Covid-19 em 6 em maio de 2022, na qual afirma que a azitromicina não deve ser utilizada para o tratamento de pessoas com a doença. Sociedades médicas do Brasil e de fora tomaram decicões parecidas.

“As evidências científicas apontam que a azitromicina não reduz o risco de hospitalização ou morte em pessoas com Covid”, corrobora Carolina.

Mas há um segundo ponto: antibióticos em geral – e a azitromicina entre eles – às vezes são receitados em casos de Covid-19 para evitar infecções bacterianas oportunistas, que se aproveitam do estado fragilizado do paciente para provocarem estragos. Essa é uma prática relativamente comum em diferentes doenças infecciosas, e com diferentes antibióticos.

Ou seja, a azitromicina não tem nada de especial contra a Covid-19.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)