saudeLOGO Created with Sketch.

O que é arritmia cardíaca: causas, sintomas e tratamentos

Esse problema – uma desbalanço no ritmo do coração – pode ser causa ou consequência de outras doenças. Veja como evitar, diagnosticar ou tratar a arritmia

A arritmia cardíaca é uma condição caracterizada pela falta de ritmo nos batimentos do coração. Ela pode ser sintoma de algum problema (físico ou psicológico) para o organismo ou fruto de um desequilíbrio do próprio órgão.

Dentro das arritmias, existem as taquicardias (quando o ritmo é acelerado) e as bradicardias (quando a cadência é lenta demais). Ambas podem se agravar e levar ao colapso do coração.

O quadro cobra investigação médica, porque compromete o bombeamento do sangue para o corpo e chega a levar, em casos extremos, à morte súbita. A arritmia cardíaca mais prevalente na população é a fibrilação atrial, marcada por uma falha na condução dos estímulos elétricos que fazem o músculo cardíaco bater.

Aí, em vez de contrair e relaxar, o órgão fibrila, ou seja, fica apenas tremendo.

Sintomas da arritmia cardíaca

  • Palpitações no coração, que duram de segundos a semanas
  • Queda de pressão
  • Fadiga
  • Falta de ar
  • Desmaios
  • Enjoos e vertigem

Fatores de risco

A prevenção

Apesar de a genética influenciar a predisposição a arritmias, cortar alguns fatores de risco, caso do cigarro, do abuso de álcool e do ganho de peso, e controlar outros (como diabetes e hipertensão) diminui a probabilidade de o coração ficar com os batimentos desgovernados. O essencial, portanto, é manter uma rotina ativa e equilibrada, sem muitos exageros aos finais de semana.

A alimentação também pode interferir nesse contexto, já que o músculo cardíaco depende de minerais como potássio, magnésio e cálcio para bater na cadência ideal. Portanto, aconselha-se investir em um menu recheado de frutas, verduras, legumes, grãos e cereais, além de laticínios magros.

O diagnóstico

Um coração saudável bate entre 60 e 80 vezes por minuto. Se esse ritmo cai ou se eleva com muita frequência, ou se a pessoa apresenta sintomas significativos como enjoo e tontura, é hora de procurar um médico.

No consultório, o cardiologista investigará a história do paciente, fará o exame físico e poderá recorrer ao eletrocardiograma, exame focado na cadência dos batimentos do coração.

Se houver necessidade, outros exames, como o ecocardiograma (uma espécie de ultrassom do coração) e o teste ergométrico, que avalia o desempenho do órgão em uma prova de esforço físico na esteira, podem ser convocados.

O tratamento

Intervir na origem da arritmia costuma ser o ponto crucial para cessar a falta de ritmo nos batimentos cardíacos e os sintomas que surgem com ela.

Exemplo: se é um distúrbio de tireoide que faz o coração acelerar (ou ficar mais lento), resolver o problema costuma ser suficiente para devolver a cadência certa ao músculo cardíaco.

Em muitos casos, porém, um tratamento específico precisa entrar em cena. O cardiologista poderá receitar medicamentos antiarrítmicos para regular o baticum no peito.

No caso de doenças como a fibrilação atrial, outras drogas costumam ser indicados, como os anticoagulantes, já que essa condição pode fazer com que o sangue estacione em apêndices do coração, gerando coágulos que viajam pela circulação e entupem vasos — o estopim para acidentes vasculares cerebrais (AVCs), por exemplo.

Em algumas situações, cirurgias ou procedimentos mais invasivos como ablação são necessários para ajustar falhas na condução dos estímulos elétricos no músculo cardíaco. Por fim, eliminar fatores de risco como o tabagismo, manter uma rotina de exercícios físicos e adotar uma dieta balanceada compõem o plano terapêutico para evitar complicações da arritmia.