Clique e assine com até 72% de desconto

Hérnia de disco: o que é, quais os sintomas e como tratar

O problema é marcado por dor em regiões como a lombar e o pescoço. Saiba como se proteger da hérnia

Por Goretti Tenorio e Chloé Pinheiro Atualizado em 20 Maio 2020, 17h29 - Publicado em 7 nov 2017, 17h58

A coluna conta com discos intervertebrais — eles servem como amortecedores de impacto que evitam o contato direto e doloroso entre as vértebras. E a hérnia nada mais é do que o resultado do deslocamento de um desses discos.

Quando um deles sai do eixo, comprime nervos da região, provocando dores, perda de sensibilidade ou sensação de formigamento. Geralmente, o transtorno dá as caras na parte inferior das costas — nesse caso, o incômodo irradia para pernas e pés. Outro foco de hérnias é o pescoço. Se ele é atingido, toda a região cervical sofre.

Os sintomas podem começar subitamente e durar pouco tempo ou se manifestarem em longas crises que parecem não acabar nunca. Se não tratada, a hérnia chega a lesionar os nervos atingidos. Resultado: mais reclamações e uma grande dificuldade para contornar o quadro.

Essa chateação está relacionada principalmente ao avançar da idade — com o tempo, os discos vão sendo sobrecarregados até não aguentarem mais —, mas esforços físicos intensos demais e traumas nas costas também colocam a coluna em risco.

  • Sinais e sintomas

    – Dor na lombar e no nervo ciático

    – Fraqueza nas pernas

    – Dor ao tossir, dar risada e ir ao banheiro

    Formigamento, dor e entorpecimento nas pernas e nos pés

    Dificuldade para urinar e evacuar

    – Dor nos braços e mãos (se a hérnia surgir no pescoço)

    Fatores de risco

    – Traumas e acidentes

    Continua após a publicidade

    – Ter mais de 35 anos

    – Ficar muito tempo sentado

    – Histórico familiar

    – Movimentos repetitivos que exigem o uso dos músculos das costas

    Como se prevenir

    A melhor estratégia é praticar atividade física. O excesso de horas sentado e a flacidez dos músculos do tronco provocada pelo sedentarismo estão intimamente ligados ao desgaste dos discos da coluna. Fora isso, eles precisam de movimentação frequente para se manterem firmes e lubrificados. Só não pegue pesado demais. Sua espinha vai reclamar se for submetida a sobrecargas muito elevadas ou a gestos mal executados.

    Prestar atenção na postura também ajuda a preservar as costas. Há quem recomende exercícios posturais ou mesmo RPG para endireitar a coluna. Mas, antes de partir para táticas assim, vale a pena consultar um profissional.

  • O diagnóstico

    O médico primeiro escuta as queixas do paciente e realiza testes físicos para descobrir os principais focos de dor. Além disso, pode avaliar os reflexos e a sensibilidade nas regiões acometidas pela hérnia de disco.

    E não é só isso. O especialista ainda procura por outros sintomas que indiquem um possível agravamento do quadro, como incontinência urinária e fraqueza muscular na região do ânus.

    Em cenários específicos, ressonância magnética, tomografia axial computadorizada e outros exames de imagem são empregados para apontar a raiz do problema e o tamanho do estrago.

    O tratamento

    Em boa parte dos casos, dá para aliviar o incômodo com mudanças de postura e exercícios físicos. Tudo, claro, com orientação profissional — até porque, durante uma crise, é necessário repouso.

    Para a dor, costuma-se prescrever anti-inflamatórios não esteroides e analgésicos. Sessões de fisioterapia ajudam bastante. Entretanto, se o quadro não for controlado, o cirurgião entra em cena. Em resumo, ele faz uma pequena incisão e retira a hérnia.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade