Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O que é a ressonância magnética e para que ela serve?

Saiba como funciona o exame que usa uma máquina de ponta para encontrar de tumores a lesões ortopédicas – e tem poucas contraindicações

Por Chloé Pinheiro
Atualizado em 3 abr 2023, 14h39 - Publicado em 5 jan 2018, 14h44

A ressonância magnética é um exame de diagnóstico por imagem usado para identificar e acompanhar diversas condições de saúde.

Ele é feito por meio de uma máquina com um grande ímã, que interage com nosso corpo por meio de campos magnéticos e pulsos de radiofrequência.

Assim, cria imagens em alta definição em três planos: horizontal, vertical e com o corpo dividido em camadas. Até por não emitir radiação e ser bem completo, o exame tem um custo relativamente alto.

Para que serve a ressonância magnética

Para a pesquisa e análise de doenças neurológicas, ortopédicas, abdominais, cervicais e cardíacas. Veja alguns exemplos:

Continua após a publicidade
  • Lesões em cartilagens e músculos, como tendinites, lesões de ligamento e hérnias de disco
  • Esclerose múltipla
  • Câncer
  • Infartos
  • Fraturas
  • Infecções

Além disso, os neurologistas o solicitam para esmiuçar melhor problemas como o Alzheimer, atrofias e lesões nos vasos sanguíneos cerebrais (que podem indicar um AVC).

Como é feito

Em primeiro lugar, é preciso tirar quaisquer itens de metal, tais como:

Continua após a publicidade
  • Brincos
  • Botões
  • Zíper
  • Aparelhos móveis

Depois, a pessoa deita em uma maca e a parte do corpo a ser estudada é coberta por um aparelho chamado bobina, que potencializa o efeito do campo magnético e melhora a qualidade da imagem.

Em seguida, a cama desliza para dentro de um grande tubo, e o paciente deve ficar parado até que o teste acabe para o resultado não sair prejudicado.

Como uma pequena movimentação pode comprometer o exame, os especialistas às vezes imobilizam certas regiões corporais.

Continua após a publicidade

Há casos em que deve ser utilizado contraste intravenoso para ressaltar lesões e doenças.

Resultados

Em linhas gerais, os médicos usam as imagens em alta definição e a distinção das cores presentes no exame para analisar em detalhes eventuais anormalidades.

Por meio de um software, é possível alterar padrões e perspectivas de visualização para chegar a um diagnóstico ainda mais preciso.

Continua após a publicidade

Periodicidade

Por se tratar de um exame que não utiliza de radiação ionizante, diferente do raio x e da tomografia, não há contraindicação relacionada à quantidade de ressonâncias magnéticas que um paciente pode fazer.

Mas ela costuma ser pedida somente quando há alguma suspeita – e não como parte de um screening preventivo.

Principais cuidados e contraindicações

Como a ressonância produz um campo magnético muito forte, é preciso se certificar que nenhum objeto metálico esteja por perto durante o procedimento, mesmo que seja um singelo grampo de cabelo.

Continua após a publicidade

Portadores de marcapassos, cateteres e outros dispositivos implantáveis não devem fazer o exame.

Para eles, aliás, é perigoso se submeter ao magnetismo do aparelho. Até mesmo tatuagens devem ser avaliadas antes que o paciente seja submetido à ressonância, porque algumas tintas contêm ferro.

Por último, pessoas claustrofóbicas ou que sofram de doenças que as impeçam de permanecer quietas também podem abalar os resultados. Em alguns casos, a sedação é necessária.

Fontes: Fábio Porto, neurologista do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, Marcio Garcia, radiologista do Grupo Lavoisier, e Roberto Rached, fisiatra do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.