Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Saiba diferenciar os sinais do Alzheimer e do esquecimento normal

Em palestra, especialista argentino destaca as características dos dois quadros. Veja quando se preocupar e procurar o médico

Por André Biernath Atualizado em 14 fev 2020, 18h26 - Publicado em 1 jul 2017, 14h00

O Alzheimer assusta todo mundo: estima-se que quase 50 milhões de pessoas tenham algum tipo de demência no planeta, número que vai ser duplicado nos próximos 20 anos. Essa explosão nas estatísticas está relacionada com o aumento na expectativa de vida da população, uma vez que o envelhecimento é o principal fator de risco para a destruição de estruturas essenciais para o funcionamento dos neurônios. Mas como distinguir os primeiros passos de uma doença do “brancos” inofensivos?

Esse foi o tema de uma conferência com o neurocientista argentino Ricardo Allegri, do Instituto de Investigações Neurológicas de Buenos Aires, durante o Congresso Mundial de Cérebro, Comportamento e Emoções, realizado em Porto Alegre durante o mês de junho. Inclusive porque pequenas falhas de memória são naturais e acontecem com o passar dos anos — até 70% dos indivíduos com 70 anos reclamam de dificuldades para se recordar das coisas.

De acordo com sua aula, é normal que idosos levem mais tempo para aprender coisas novas e se lembrar de detalhes específicos de uma situação. Eles também se distraem mais facilmente. “Nesse caso, a queixa vem mais da própria pessoa do que de familiares ou amigos”, relata Allegri.

Na contramão, o esquecimento que preocupa pra valer tem características distintas. “O paciente apresenta uma dificuldade tremenda para recordar datas e eventos recentes, apaga completamente um episódio que vivenciou, repete as mesmas questões diversas vezes, se perde no lugar e não consegue seguir direções”, elenca o especialista. Também é comum que as reclamações sobre esses sintomas partam mais de parentes e colegas do que do próprio acometido pelo descompasso neuronal.

Diante dos sinais, é importante consultar o médico para tirar todas as dúvidas e realizar alguns exames. A detecção de Alzheimer envolve uma extensa investigação por meio de avaliações neurológicas no consultório e testes de imagem, como a ressonância magnética e a tomografia. Iniciar o tratamento com antecedência atrasa a evolução do quadro e aumenta a qualidade de vida.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)