Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Incontinência urinária sob controle

Cientistas avaliam os dois principais tratamentos para acabar com as escapadas de urina e mostram qual deles é o melhor

Por Thiago Castro - Atualizado em 13 Dec 2019, 10h38 - Publicado em 9 Apr 2017, 10h30

A dificuldade de segurar o xixi é comum com o avançar da idade – quase um terço das pessoas acima de 75 anos sofre com ela. Com foco em minimizar essa chateação, um time da Universidade Duke, nos Estados Unidos, avaliou, em 381 mulheres, o efeito de dois dos principais recursos disponíveis.

O primeiro grupo recebeu injeções de toxina botulínica, que enrijecem os músculos da bexiga e impedem contrações involuntárias. O segundo foi submetido à neuromodulação, espécie de marcapasso colocado no nervo sacral que ajuda a domar os estímulos para ir ao banheiro.

Os pesquisadores descobriram que as voluntárias tratadas com o botox tiveram menos episódios de descontrole do xixi. Segundo o urologista Fernando Almeida, da Universidade Federal de São Paulo, ambos os procedimentos são pouco invasivos e têm eficácia parecida.

A escolha leva em conta a capacidade de adesão do paciente ao tratamento, já que as injeções são reaplicadas a cada nove meses e o neuromodulador é instalado uma única vez numa pequena cirurgia. O dispositivo tem um preço mais salgado, embora hoje possa ser custeado pelo Sistema Únido de Saúde (SUS).

Continua após a publicidade

Dá pra segurar

De treinamento mental a cirurgia, veja outras opções para aliviar as insistentes corridas ao banheiro

Publicidade