Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Dor durante o sexo: o que você precisa saber

Fatores físicos e psicológicos podem estar relacionados ao problema, que tem tratamento

Por Larissa Beani
Atualizado em 28 jun 2024, 13h24 - Publicado em 28 jun 2024, 13h23

Contrações involuntárias, ansiedade, desconforto… De acordo com a quinta edição do Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (o famoso DMS), cerca de 15%  das mulheres norte-americanas relatam sofrer dores recorrentes durante a relação sexual.

São diferentes tipos de dor, sendo duas as mais frequentes: dispareunia (causada pelo movimento do pênis) e vulvodínia (que acontece na vulva, parte externa da vagina).

O incômodo também é comum entre as brasileiras. Segundo uma pesquisa do Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex), do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), 18% das mulheres convivem com o mesmo problema.

Apesar do número expressivo, poucas conseguem encontrar diagnóstico e tratamento de forma rápida e eficaz para o problema.

Em uma pesquisa feita com pacientes do Projeto Afrodite, do Departamento de Ginecologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), as mulheres relataram passar, em média, sete anos convivendo com a dor.

Uma das principais reclamações é o desconhecimento dos médicos em relação às disfunções sexuais femininas, e o descaso com as queixas das pacientes.

Continua após a publicidade
Clique aqui para entrar em nosso canal no WhatsApp

“É preciso reforçar que não é normal sentir dor na relação sexual. Essa manifestação pode estar associada a outras condições ginecológicas, como a endometriose ou a infecções, ou ainda ter fundo psicológico”, explica a ginecologista Fabiene Bernardes Castro Vale, presidente da comissão de sexologia da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).

Confira a seguir as principais causas relacionadas ao problema e como tratá-lo.

+ Leia também: O que causa dor durante o sexo?

Dispareunia e vulvodínia: qual a diferença? 

A dor relacionada ao ato sexual pode aparecer de várias formas.

Contrações e espasmos involuntários na musculatura da vagina, que dificultam e até impossibilitam a penetração, são chamadas popularmente de vaginismo.

A condição pode atrapalhar não apenas o ato sexual como também a realização de exames ginecológicos, pois a mulher não consegue relaxar a musculatura íntima.

Continua após a publicidade

Já a dispareunia é o nome dado à dor provocada pelo movimento do pênis durante a relação sexual ou no início da penetração. Ela pode ser classificada como dispareunia superficial (próxima à entrada do canal vaginal) ou dispareunia profunda (dor sentida no “fundo” da vagina, mais próxima ao colo de útero).

Há ainda um terceiro tipo, a vulvodínia, uma dor na vulva, a parte externa da genitália da mulher. Ela que se caracteriza por um incômodo crônico, que não necessariamente está relacionado ao sexo. Sem causas identificáveis, pode estar relacionada à disfunções musculares, neurológicas e psicossomáticas.

+ Leia também: Sexo, gênero e dor: chega de preconceito!

Causas e fatores de risco de dispareunia e vulvodínia

Confira os principais:

As questões hormonais, aliás, também podem impactar a sensibilidade, a lubrificação, o desejo e o prazer no sexo — predispondo a dores pélvicas. “Em geral, é extremamente comum também que as pacientes apresentem outras dificuldades. Problemas de excitação, insatisfação e falta de interesse são as principais queixas”, enumera Fabiane Vale.

+ Leia também: A vida sexual da mulher com endometriose

Como é feito o diagnóstico?

Ao apresentar dor na relação, a paciente deve procurar um profissional especializado para avaliar o seu quadro. O ideal é buscar, primeiro, o ginecologista, em especial aqueles que trabalhem na área da sexologia, que possuem maior expertise em lidar com o diagnóstico de disfunções sexuais.

Continua após a publicidade

O diagnóstico, em geral, é realizado a partir do exame clínico feito pelo profissional, que avalia as queixas o estado físico da paciente. Exames complementares podem ser solicitados a depender da suspeita médica.

Tratamento da dor durante o sexo

O tratamento depende das causas e dos fatores identificados em cada paciente. Ele pode envolver o uso de medicamentos, exercícios pélvicos e psicoterapia.

Para que as contrações e dores do canal vaginal cessem, a musculatura do assoalho pélvico deve passar por uma reeducação.

“A reabilitação da região é feita com exercícios de dessensibilização, para que a mulher consiga relaxar”, afirma Laíse Veloso, fisioterapeuta pélvica especializada no tratamento de disfunções sexuais pelo Projeto Afrodite, da Unifesp.

+ Leia também: Melhorar a saúde passa pelo assoalho pélvico

A abordagem é feita com exercícios e massagens orientadas pelo fisioterapeuta que acompanha o caso, e também podem ser utilizadas técnicas como laser e a eletroestimulação.

Continua após a publicidade

Esses métodos não têm relação a práticas como o pompoarismo, que não tem evidência científica e não trabalha o relaxamento muscular da região pelo contrário, trabalha a contração local.

Em casos em que a dor está muito associada à ansiedade ou a depressão, é importante recorrer a avaliação de um psicólogo ou psiquiatra e realizar tratamento de psicoterapia.

A participação do parceiro no tratamento também faz diferença. “É preciso que haja companheirismo e paciência. A mulher precisa de tempo e espaço adequados para romper o ciclo da dor”, pontua Veloso. “Mas, acima de tudo, ela deve procurar o tratamento para si mesma, para que se conheça melhor e sinta prazer nesse momento que não pode ser doloroso.”

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.