Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Dia dos Namorados: os efeitos físicos da paixão e do amor

Nosso organismo tem mecanismos complexos para lidar com tudo, inclusive com a explosão hormonal causada pelo romance

Por João Antonio Streb
Atualizado em 12 jun 2024, 13h47 - Publicado em 12 jun 2024, 10h19

Calma, Martinho da Vila, não precisa ser hipnotizado “pra acabar de vez com essa disritmia”. É só esperar que logo o cortisol vai cumprir esse papel. A música “Disritmia” é só um exemplo entre vários de como tentamos explicar por meio da arte os efeitos do amor no nosso corpo. O Dia dos Namorados é uma boa oportunidade para revisitar esses impactos.

Afinal, quantas metáforas e eufemismos sobre o romance e a paixão já foram explicados pela ciência?

Quais são os principais efeitos (e benefícios) de estar apaixonado?

As reações fisiológicas às emoções são desencadeadas em grande parte por hormônios disparados conforme a etapa que estamos vivendo do romance. Os estímulos são mais intensos no início de uma paixão, e vão sendo apaziguados conforme o tempo passa, devido à normalização dos níveis hormonais.

Só que, até isso ocorrer, somos bombardeados de sensações. Veja abaixo alguns dos agentes mais importantes na hora de se apaixonar:

Continua após a publicidade
  • Testosterona: a primeira fase de paixão é sexual e física. Mesmo que a testosterona seja mais ligada à ideia de masculinidade e crescimento, nessa hora ela tem o papel importante em todos os sexos. No organismo masculino, os níveis caem, deixando o indivíduo mais aberto à relação e menos violento. Num corpo feminino, ela aumenta, elevando junto a libido e o desejo sexual. O estrogênio também atua nas mulheres como regulador do ímpeto sexual.
  • Cortisol: nem tudo é paz e tranquilidade. Aquela sensação de frio na barriga e o coração batendo diferente ocorre pelo disparo nos níveis de cortisol, um dos hormônios ligados a situações estressantes. Esse aumento ocorre porque o corpo entende que está passando por uma crise, causando uma mudança no ritmo cardíaco, na pressão arterial e nos níveis de glicose no sangue.
  • Serotonina: aqui começa a fase da atração. A serotonina é uma dos agentes reguladores de humor no nosso organismo, mas que nesse momento da paixão acaba diminuindo. A redução pode causar alterações no apetite e no sono, mas também dar aquela sensação de euforia e, muitas vezes, uma obsessão pela pessoa que é alvo da paixão.
  • Dopamina: esse hormônio é produzido pelo hipotálamo e é um dos neurotransmissores mais importantes do nosso organismo. Apesar de muitas vezes ser visto como hormônio da felicidade, a dopamina está mais relacionada com a sensação de prazer e recompensa, como quando realizamos alguma atividade física ou cumprimos algum objetivo. O estímulo é tamanho que pode ser comparado com a euforia causada pelo álcool e outras drogas.
  • Ocitocina: o conhecido hormônio do amor é responsável por marcar a fase do afeto. A liberação da ocitocina ocorre em momentos de contato físico, das trocas de carícias às relações sexuais, agindo em cooperação com a testosterona (no organismo masculino) e a progesterona (no feminino) para intensificar o orgasmo. Além de fortalecer conexões em geral, estudos indicam que esse neurotransmissor também tem efeito anti-inflamatório, aspecto que melhora a qualidade de vida.
  • Vasopressina: tanto vasopressina quanto ocitocina são considerados os hormônios do apego, atuando de forma mais intensa, respectivamente, nos homens e mulheres. O papel deles numa relação duradoura ocorre por meio da interação com o sistema de recompensa, relacionado ao hipotálamo e o disparo de dopamina. Essa liberação auxilia as reações prazerosas a perdurarem num amor mais antigo.

+Leia também: Dia do Beijo: dicas e cuidados para beijos mais saudáveis!

Depois da paixão: como o corpo reage ao amor com o passar do tempo?

A serotonina é um dos poucos casos dessa lista que diminuem num primeiro momento enquanto o restante dispara. Com o passar do tempo, ela também retoma os níveis normais e leva junto os outros hormônios.

Em pessoas em idade reprodutiva, o período entre 18 e 30 meses de relação é entendido pelo nosso organismo como tempo suficiente para cumprir a função biológica das relações heteronormativas: a reprodução. Depois disso, as concentrações de hormônios tipicamente associados à paixão voltam a patamares normais — o que não quer dizer, claro, que o amor acabe aí.

Continua após a publicidade

Mas não se preocupe demais com essas marcações de tempo. É sempre bom lembrar que o amor é tanto um fenômeno psicológico e social quanto é fisiológico, e nossas relações não são determinadas apenas pela biologia.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.