Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 5,90/mês

É normal sentir dor na hora da relação sexual?

A partir de uma dúvida enviada por uma leitora, fomos atrás de uma especialista na área para esclarecer o assunto

Por Thiago Nepomuceno - Atualizado em 28 out 2016, 04h59 - Publicado em 22 set 2016, 16h23

Não! Em certo momento pode até surgir um ligeiro desconforto, mas dor que motiva a interromper a relação precisa ser investigada. Até porque vários problemas de saúde podem gerar o incômodo. Um deles é o vaginismo, quando ocorrem contrações involuntárias dos músculos ao redor do orifício da vagina. Doenças sexualmente transmissíveis e endometriose deixam o órgão mais sensível, e também podem disparar o sofrimento. 

Leia também: Incontinência urinária quase dobra o risco de disfunção sexual

 

A médica Flávia Fairbank, da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo, comenta que o lado psicológico também tem papel nas dores. O estímulo para a lubrificação natural vem do cérebro — e o processo pode ser afetado por questões emocionais, por exemplo, o que dificulta a penetração. “É preciso sempre conversar com o parceiro. Muitas vezes a mulher fica envergonhada e acaba levando a relação com dor até o fim. No longo prazo, isso às vezes evolui para disfunções sexuais”, afirma Flávia.

Vale lembrar mais uma vez: o incômodo não deve ser encarado com naturalidade. Procure um ginecologista, que vai realizar os exames físicos para detectar algumas doenças. Se o problema não vier de uma doença, o médico pode encaminhar para  um profissional especializado em disfunções sexuais, um psicólogo ou um fisioterapeuta. 

Continua após a publicidade
Publicidade