Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Adolescentes dormiram mais e melhor durante a pandemia, aponta estudo

Dados abrem espaço para discussão sobre adaptação do horário escolar para jovens, que nessa fase tendem a ir para cama mais tarde

Por Fabiana Schiavon
Atualizado em 12 nov 2021, 19h03 - Publicado em 12 nov 2021, 19h01

A flexibilidade das aulas online melhorou a qualidade do sono dos adolescentes durante a pandemia do coronavírus, segundo estudo conduzido na Universidade Federal do Paraná.

A investigação começou antes do isolamento social. Em 2019, os pesquisadores Fernando Mazzilli Louzada e Jefferson Souza Santos avaliaram os padrões de sono de 1 554 adolescentes entre 14 e 19 anos. Eles tinham aulas a partir das 7h30.

Os experts perceberam que o cochilo da tarde era uma prática comum para 58% dos entrevistados. Como essa soneca se mostrava muito prolongada na maioria das vezes, acabava atrapalhando o sono da noite. Com isso, reduzia o descanso dos jovens para uma média de sete horas, quando o mínimo ideal é de oito horas.

Na pandemia, Louzada e Santos buscaram parte desses estudantes para fazer uma nova análise e traçar uma comparação. Eles notaram que, com a mudança na rotina, a média de sono dos adolescentes aumentou em duas horas. Já a soneca deixou de ser tão essencial: foi relatada por pouco mais de 20% deles.

Sem a pressão de acordar cedo para se deslocar para a escola e conseguindo administrar melhor o tempo, os adolescentes puderam alinhar suas necessidades vitais com os estudos.

Apesar de os hábitos de sono variarem entre as pessoas – algumas são mais diurnas e outras, mais noturnas – o adolescente tem a tendência de madrugar.

“A puberdade, os costumes mais noturnos, como o de sair com amigos, além do uso de telas à noite fazem com que a maioria dos jovens vá mais tarde para a cama”, relata Santos, que é biólogo e integra o Laboratório de Cronobiologia Humana da UFPR.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Sinais de depressão e ansiedade dobraram em jovens na pandemia, diz estudo

Esse comportamento madrugador e a obrigação de despertar cedo para estudar prejudicam o desempenho escolar e contribuem para deficiências emocionais e até comportamentos de risco. “Os adolescentes passam a adotar diferentes estratégias para driblar a sonolência, como consumir cafeína, tomar bebidas energéticas e tirar cochilos inadequados”, exemplifica Santos.

“Essa descoberta reforça que o horário de começo das aulas desempenha papel essencial para desencadear a restrição crônica do sono em adolescentes”, completa Louzada, que é psicólogo.

Cabe ressaltar que problema do cochilo identificado na análise é que ele passa do limite considerado saudável. Um breve descanso de até 60 minutos logo após o almoço pode, sim, ser benéfico para a concentração e a memória. No entanto, quando vai além desse intervalo e acontece próximo do período noturno, aí o hábito tende a ser prejudicial.

Como combinar a escola com o sono adequado?

A Fundação Nacional do Sono recomenda de oito a dez horas de descanso por dia para adolescentes, considerando aspectos cognitivos, emocionais e de saúde física.

Para adaptar os estudantes a essa realidade, é preciso discutir a possibilidade de um horário de início escolar mais tardio com educadores, pais e formuladores de políticas públicas.

Continua após a publicidade

Com base em estudos já finalizados em outros países, a sugestão seria atrasar em uma hora, no mínimo, o começo das aulas, o que aconteceria por volta das 8h30.

Santos entende que esse movimento está apenas iniciando. “Essas mudanças mexem com a logística das famílias, gerando transtornos. Mas novas ideias podem surgir, como a de inverter os turnos do ensino médio com o do fundamental. Afinal, as crianças mais novas dormem mais cedo e têm mais facilidade de pular da cama”, explica.

Louzada reconhece que o estudo tem algumas limitações, como a falta da avaliação da saúde mental desses adolescentes durante a pandemia de Covid-19. Entretanto, para ele, a função principal da pesquisa foi coletar dados que permitiram identificar mudanças nos hábitos de sono dos entrevistados nesse período.

“Os resultados ajudaram a entender o quanto os comportamentos mudaram nesse momento atípico, e as melhorias observadas revelam a inadequação do horário tradicional de início das aulas”, afirma.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.