Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Tendência ao cochilo pode ser genética, aponta estudo

Pesquisa identifica um grupo de genes ligado ao hábito de repousar durante o dia

Por Chloé Pinheiro 17 abr 2021, 13h27

Você é do tipo que sente uma vontade irresistível de tirar uma sonequinha depois do almoço? Pois saiba que pode haver explicações genéticas para isso. Um estudo com dados do DNA de mais de 450 mil indivíduos, conduzido por pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts, nos Estados Unidos, identificou um grupo de 123 genes em comum entre os cochiladores. Além da frequência da soneca, fatores que poderiam influenciar o resultado, como o sedentarismo, foram levados em conta.

Os achados foram divulgados no periódico Nature Communications. Mas nem sempre o genoma explica sozinho a inclinação à sesta. “Algumas pessoas têm facilidade em pegar no sono de dia, mas, quando ele bate por falta de descanso à noite, é preciso procurar ajuda. Nesse contexto, o cochilo deixa de ser benéfico”, explica a neurologista Andrea Bacelar, presidente da Associação Brasileira do Sono. A sonolência diurna pode indicar problemas como a apneia do sono.

Programe sua sesta

Se você pode e gosta, preste atenção nestas táticas para extrair o melhor da pausa à tarde:

Duração: Tente não ultrapassar 30 minutos. Depois disso, caímos em estágios mais profundos e despertamos mais cansados ao sermos arrancados deles.

Rotina: Nosso relógio biológico pede constância. Se possível, tire a soneca todos os dias em horários similares. Sentimos mais sono entre as 14 e as 15 horas.

Ambientação: Prepare o terreno reduzindo a exposição a luz e barulhos — máscaras e tampões de ouvido podem ajudar. O ambiente influencia muito o relaxamento.

Exceções: O cochilo dos idosos pode durar até 2h. Adolescentes também precisam de mais sono, entre nove e dez horas diárias, que podem ser dormidas de dia.

Cochilar melhora o desempenho cognitivo

Outra pesquisa recém-publicada, envolvendo 2,2 mil idosos chineses, constatou que os adeptos da sesta tinham índices superiores de desempenho cognitivo e memória. “A arquitetura cerebral se modifica com o passar da idade e o sono fica mais fragmentado. Então os mais velhos passam a ter necessidade de complementar o sono durante o dia com cochilos mais longos”, esclarece Andrea.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês