Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Sono ruim na infância pode levar a transtorno psiquiátrico na adolescência

Estudo britânico foi o primeiro a associar distúrbios do sono na infância com quadros como borderline e psicose

Por Nicola Ferreira, da Agência Einstein Atualizado em 7 ago 2020, 19h03 - Publicado em 7 ago 2020, 10h07

Falta de um horário determinado para dormir e o uso de aparelhos eletrônicos até tarde são alguns dos fatores que levam bebês e crianças a não conseguirem ter uma boa noite de sono. Além de isso afetar o crescimento, pesquisadores da Universidade de Birmingham, na Inglaterra, estão relacionando a baixa qualidade do sono durante a infância com problemas na saúde mental na adolescência.

O estudo contou com dados de aproximadamente 7 mil adolescentes e foi o primeiro a sugerir esse elo. Os autores notaram que a ocorrência de surtos psicóticos – que impossibilitam a pessoa de definir o que é real ou não – em crianças com 12 e 13 anos pode estar ligada a hábitos irregulares de sono e dificuldade em dormir. Além disso, aquelas que dormiam mais tarde apresentaram mais casos de transtorno de borderline, distúrbio psiquiátrico caracterizado pela instabilidade no humor e comportamento.

Mais uma descoberta feita pelos pesquisadores é que a depressão, observada sobretudo aos 10 anos de idade, também está relacionada com a má qualidade do sono. A análise levou em conta outros fatores que podem estar envolvidos nesses transtornos, como problemas familiares e abuso infantil.

A influência do sono na saúde mental de crianças e adolescentes também foi objeto de um estudo divulgado no início deste ano pelo Centro de Pesquisas em Crianças Murdoch, em Melbourne, na Austrália. Os pesquisadores conseguiram associar a baixa qualidade do sono na infância, especialmente quando bebê, ao desenvolvimento de ansiedade precoce.

“É importante que os pais prestem atenção no sono das crianças, pois transtornos psiquiátricos podem ter apresentações precoces, particularmente durante o sono. A infância é fase fundamental para o desenvolvimento cognitivo”, afirma Letícia Soster, neuropediatra do Hospital Israelita Albert Einstein.

Como fazer o bebê dormir melhor

Mantenha horários regulares de sono

Isso ajuda a criança a ter um sono contínuo, ou seja, ela acordará menos vezes.

Continua após a publicidade

Retire as telas de perto na hora de dormir

Iluminação e cores podem dificultar o adormecimento das crianças. Segundo uma pesquisa da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, a presença de um televisor no quarto pode reduzir o sono em até 30 minutos.

Tome cuidado com a alimentação noturna

Evite alimentos com muito açúcar perto da hora de dormir. Eles despertam as crianças. À noite, é recomendada uma alimentação leve e de fácil digestão.

Procure sempre a ajuda de profissionais da saúde

Em casos de insônia infantil, é importante buscar o apoio do pediatra.

Esse texto foi publicado na Agência Einstein.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês