Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Soluções high-tech para melhorar a quantidade e a qualidade do sono

Sensores acoplados em relógios inteligentes monitoram o repouso noturno e ajudam a contornar problemas como a insônia

Por Amandia Sá, cientista da computação e pesquisadora em IA*
11 jun 2022, 12h53

Dormir é um processo tão natural que nem sempre as pessoas se preocupam com isso. Porém, todo mundo sabe que o sono é essencial para ter uma boa saúde e realizar as tarefas do cotidiano com eficiência, em casa e no ambiente corporativo.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), um indivíduo adulto deveria dormir em média de sete a nove horas por noite. No entanto, dados internacionais apontam que pelo menos 45% da população mundial dorme menos do que deveria. No nosso país, a Associação Brasileira do Sono estima que 73 milhões de pessoas sofrem de insônia.

Além da quantidade, a qualidade do descanso muitas vezes não é a ideal, o que tem relação com o estresse e a pressão no trabalho ou nos estudos.

E isso é um problema! Pessoas que dormem mal ou pouco têm maior propensão a desenvolver hipertensão, colesterol alto, diabetes e transtornos psíquicos. Sem falar no comprometimento das habilidades cognitivas e no ganho de peso. Sim, o sono também é questão de vida ou morte.

+ LEIA TAMBÉM: Poluição sonora, um problema de saúde pública

Todos esses pontos chamaram a atenção da comunidade científica, do mundo corporativo e das empresas de tecnologia, que passaram a buscar formas acessíveis e não invasivas de monitorar o sono.

Continua após a publicidade

Através de sensores embarcados nos dispositivos vestíveis, podemos transformar medidas e informações obtidas do corpo em dados digitais e processá-los para chegar a conclusões sobre a vida do usuário. Os smartwatches têm se destacado nessa função devido à variedade de sensores acoplados e a possibilidade de monitorar o organismo ao longo do dia.

E esse acompanhamento se aplica ao sono também. Hoje relógios inteligentes são capazes de identificar as fases do sono do usuário e a quantidade de ciclos no período noturno. Em geral, o indivíduo tem de quatro a seis ciclos por noite, e cada fase tem um papel específico no repouso.

Os smartwatches captam essas informações por meio de sensores como acelerômetro e giroscópio e calculam a frequência cardíaca a partir dos sinais fisiológicos, já que, durante o descanso, os batimentos diminuem consideravelmente. Assim conseguem identificar se o usuário se mexeu muito durante a noite, se acordou ou o tempo que demorou para conseguir dormir.

+ LEIA TAMBÉM: Relógios inteligentes são a grande tendência fitness

Esses dados são armazenados nos celulares, podem ser consultados a qualquer momento e gerar gráficos e relatórios que facilitam o entendimento e o acompanhamento da qualidade do sono. Alguns relógios mais recentes ainda incluem uma configuração avançada e personalizada de monitoramento e sugerem exercícios de relaxamento.

Continua após a publicidade

Ao monitorar o sono, o usuário pode planejar melhor a sua noite no intuito de mitigar problemas como insônia, além de ter dados estatísticos contínuos para avaliar sua saúde ao lado do médico. Quem disse que a tecnologia não ajuda a ter bons sonhos?

Compartilhe essa matéria via:

* Amandia Sá é doutoranda em Ciência da Computação na Universidade Federal de São Carlos (UFScar) e pesquisadora em Inteligência Artificial (IA) do HDL, laboratório do Sidia Instituto de Tecnologia, em Manaus

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.