Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

De lentidão à alucinação: os estágios da privação de sono

No Brasil, a população descansa, em média, 6,4 horas, segundo dados da Associação Brasileira do Sono; recomendação geral é de 8 a 10 horas

Por Danielle Sanches, da Agência Einstein* 24 fev 2022, 16h24

Passar apenas uma noite em claro não é um grande problema. No entanto, se a privação de sono se tornar contínua, os sistemas que regulam as funções do corpo se descompensam e diferentes problemas de saúde passam a surgir.

Ficar 18 horas sem dormir, por exemplo, prejudica os reflexos motores, julgamento e o tempo de reação quando dirigimos. Isso implica em um efeito parecido com o de estar embriagado (o equivalente a uma concentração de 0,05% de álcool no sangue), aumentando o risco de acidentes de trânsito.

Se o período desperto é maior, de 24 horas, a inabilidade se equipara a alguém com a taxa de álcool de 0,10%, de acordo com informações do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês).

Estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, em 2004, mostrou que há uma ligação entre noites mal dormidas e o aumento no Índice de Massa Corporal (IMC) — o que indica que a duração do sono é um importante regulador de peso e do metabolismo.

+ LEIA TAMBÉM: Melatonina: suplemento não é solução para insônia e pode ser prejudicial

Quem não dorme o suficiente também tem um aumento da corticosterona, um dos hormônios que o corpo libera em situações de estresse.

“Isso provoca uma queda na produção de novas células do cérebro, afetando a cognição, especialmente a formação de memória e a capacidade de concentração”, explica o psiquiatra Adiel Rios, pesquisador do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e membro da Associação Brasileira de Psiquiatria.

De acordo com o especialista, a falta crônica de descanso favorece ainda a fadiga, o envelhecimento precoce, queda na imunidade e sonolência durante o dia, além do aumento no risco de desenvolver doenças crônicas como transtornos psiquiátricos e cardiovasculares.

Embora a recomendação geral seja de 8 a 10 horas de sono por noite, no Brasil as pessoas descansam, em média, 6,4 horas, segundo dados da Associação Brasileira do Sono.

Compartilhe essa matéria via:

Estágios da privação de sono

24 horas sem dormir
Uma noite sem descanso já é o suficiente para provocar o mesmo efeito que após o consumo de bebidas alcoólicas.

Outros sintomas comuns são irritabilidade, dificuldade de concentração e cognição, tremores, fadiga, redução na coordenação e compulsão alimentar (desejo por comidas especialmente calóricas).

Continua após a publicidade

36 horas sem dormir
Os sintomas ficam mais intensos e a vontade de dormir se torna urgente. Nessa fase, é comum ter pequenos cochilos, de cerca de 30 segundos, sem perceber — o que pode provocar acidentes durante a realização de atividades.

A pessoa pode sentir ainda uma fadiga extrema, ter dificuldades em socializar e em tomar decisões, além de apresentar mudanças de comportamento.

+ Assine VEJA SAÚDE a partir de R$ 9,90

48 horas sem dormir
Também conhecida como uma privação extrema do sono, nesse momento a fadiga e a irritabilidade se tornam ainda mais intensas e é possível que o indivíduo comece a alucinar, ouvindo e vendo coisas que não existem.

Aumento no nível de estresse e ansiedade também pode ocorrer.

72 horas sem dormir
A partir do terceiro dia sem dormir, a necessidade de repousar fica mais forte e há a tendência de os cochilos involuntários acontecerem com mais frequência. A falta de sono impacta a percepção do indivíduo.

96 horas sem dormir
A percepção de realidade acaba distorcida, após quatro dias sem dormir. A necessidade de descansar se torna insuportável e a pessoa pode ter quadros de psicose por privação de sono, impactando na forma como vê a realidade ao seu redor. Em geral, esses sintomas diminuem depois que a pessoa descansa o suficiente.

Como melhorar a qualidade do sono?

Criar hábitos saudáveis e manter uma rotina para a hora de dormir são passos importantes para melhorar a qualidade do sono.

Reduzir o consumo de cafeína durante o dia e de bebidas alcoólicas antes de ir para a cama, não usar aparelhos eletrônicos na cama e criar um ritual à noite (como tomar um banho ou ler um livro) ajudam o corpo a entrar em um estado de relaxamento.

Mas, se mesmo com mudanças na rotina, a privação de sono persistir, é importante buscar ajuda especializada para entender quais problemas de saúde podem estar interferindo no repouso.

*Esse texto foi originalmente publicado na Agência Einstein.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês