Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Soluções high-tech para melhorar a quantidade e a qualidade do sono

Sensores acoplados em relógios inteligentes monitoram o repouso noturno e ajudam a contornar problemas como a insônia

Por Amandia Sá, cientista da computação e pesquisadora em IA* 11 jun 2022, 12h53

Dormir é um processo tão natural que nem sempre as pessoas se preocupam com isso. Porém, todo mundo sabe que o sono é essencial para ter uma boa saúde e realizar as tarefas do cotidiano com eficiência, em casa e no ambiente corporativo.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), um indivíduo adulto deveria dormir em média de sete a nove horas por noite. No entanto, dados internacionais apontam que pelo menos 45% da população mundial dorme menos do que deveria. No nosso país, a Associação Brasileira do Sono estima que 73 milhões de pessoas sofrem de insônia.

Além da quantidade, a qualidade do descanso muitas vezes não é a ideal, o que tem relação com o estresse e a pressão no trabalho ou nos estudos.

E isso é um problema! Pessoas que dormem mal ou pouco têm maior propensão a desenvolver hipertensão, colesterol alto, diabetes e transtornos psíquicos. Sem falar no comprometimento das habilidades cognitivas e no ganho de peso. Sim, o sono também é questão de vida ou morte.

+ LEIA TAMBÉM: Poluição sonora, um problema de saúde pública

Todos esses pontos chamaram a atenção da comunidade científica, do mundo corporativo e das empresas de tecnologia, que passaram a buscar formas acessíveis e não invasivas de monitorar o sono.

Através de sensores embarcados nos dispositivos vestíveis, podemos transformar medidas e informações obtidas do corpo em dados digitais e processá-los para chegar a conclusões sobre a vida do usuário. Os smartwatches têm se destacado nessa função devido à variedade de sensores acoplados e a possibilidade de monitorar o organismo ao longo do dia.

Continua após a publicidade

E esse acompanhamento se aplica ao sono também. Hoje relógios inteligentes são capazes de identificar as fases do sono do usuário e a quantidade de ciclos no período noturno. Em geral, o indivíduo tem de quatro a seis ciclos por noite, e cada fase tem um papel específico no repouso.

Os smartwatches captam essas informações por meio de sensores como acelerômetro e giroscópio e calculam a frequência cardíaca a partir dos sinais fisiológicos, já que, durante o descanso, os batimentos diminuem consideravelmente. Assim conseguem identificar se o usuário se mexeu muito durante a noite, se acordou ou o tempo que demorou para conseguir dormir.

+ LEIA TAMBÉM: Relógios inteligentes são a grande tendência fitness

Esses dados são armazenados nos celulares, podem ser consultados a qualquer momento e gerar gráficos e relatórios que facilitam o entendimento e o acompanhamento da qualidade do sono. Alguns relógios mais recentes ainda incluem uma configuração avançada e personalizada de monitoramento e sugerem exercícios de relaxamento.

Ao monitorar o sono, o usuário pode planejar melhor a sua noite no intuito de mitigar problemas como insônia, além de ter dados estatísticos contínuos para avaliar sua saúde ao lado do médico. Quem disse que a tecnologia não ajuda a ter bons sonhos?

Compartilhe essa matéria via:

* Amandia Sá é doutoranda em Ciência da Computação na Universidade Federal de São Carlos (UFScar) e pesquisadora em Inteligência Artificial (IA) do HDL, laboratório do Sidia Instituto de Tecnologia, em Manaus

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)