Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Quando a queda de cabelo é considerada calvície?

Médico esclarece os sinais de que a perda dos fios não é mais normal, e as opções de tratamento disponíveis hoje

Por João Gabriel Nunes, médico tricologista*
1 jun 2022, 10h10

Fios de cabelo espalhados pela casa, na escova e no travesseiro. Logo surge a dúvida: é queda de cabelo ou progressão da calvície?

Uma pessoa saudável perde cerca de 70 a 100 fios de cabelo por dia. Quando esse volume passa dos 100 fios, é preciso ficar alerta e investigar as causas, pois significa uma queda excessiva, que pode estar ligada a deficiência de nutrientes, estresse, distúrbios hormonais ou até excesso de produtos químicos no cabelo.

Um ponto fundamental é que a queda capilar só é considerada normal quando os fios perdidos são substituídos por outros, e de forma adequada.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), metade dos homens terá calvície até os 50 anos de idade. Já entre as mulheres, a estimativa é de 30%, de acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Sendo assim, saber as principais diferenças entre o fenômeno e a queda comum é essencial na busca pelo diagnóstico correto.

+ LEIA TAMBÉM: Covid-19 é associada a quadros de queda de cabelo

A alopecia androgenética ou calvície é caracterizada pelo déficit de renovação dos fios e principalmente pelo afinamento capilar, que acontece progressivamente até a atrofia da raiz. Em estágio avançado, esses fatores geram espaçamentos no couro cabeludo, sendo visível a ausência dos fios no topo da cabeça ou na coroa, as famosas “entradas”.

Continua após a publicidade

Um passo importante para distinguir a perda capilar da calvície é olhar para a genética. Homens e mulheres com predisposição e histórico familiar e pessoas com doença autoimune preexistente estão mais suscetíveis à alopecia.

Uma dica para checar a situação é tentar guardar o máximo de fios que caem durante o dia e, ao reunir uma quantidade razoável, verificar se todos estão com o mesmo diâmetro. Fios com espessuras diferentes, alguns finos e outros mais grossos, podem significar que a calvície está em cena.

+ LEIA TAMBÉM: O guia do cabelo bonito e saudável

O tratamento da queda de cabelo

A queda de cabelo gerada por situações específicas pode ser revertida, e o tratamento depende da causa e deve ser feito com orientação de um especialista. Ele poderá recomendar vitaminas, xampus, loções, entre outros produtos.

De acordo com a Sociedade Brasileira do Cabelo (SBC), a calvície afeta 42 milhões de pessoas no país. E essa condição não tem cura. Pacientes em estágios iniciais ou moderados podem responder melhor à associação de tratamentos que visam aumentar a quantidade de fios no couro cabeludo.

Mas, em casos de queda de cabelo irreversível, o procedimento de transplante capilar é uma alternativa para quem se incomoda. Atualmente, dispomos de uma técnica minimamente invasiva que permite resultados mais naturais e efetivos.

Continua após a publicidade

Nela, os fios são são retirados das áreas doadoras (nuca e laterais) da própria pessoa e realocados um a um na parte calva. Depois de três a quatro meses, os novos fios crescem e devem se manter a vida toda.

A solução para a queda de cabelo pode estar em xampus, medicamentos ou transplante capilar, mas, para encontrarmos a saída ideal caso a caso, a recomendação número 1 é procurar um médico especialista.

Compartilhe essa matéria via:

* João Gabriel Nunes é médico tricologista, membro da Sociedade Brasileira do Cabelo (SBC) e fundador do Centro Médico Capilar, em Mogi Guaçu (SP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.