Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

O guia do cabelo bonito e saudável

O estado dos fios tem impacto direto na autoestima e na qualidade de vida. Saiba o que realmente os danificam e os cuidados validados pela ciência

Por Thaís Manarini - Atualizado em 1 jul 2019, 17h31 - Publicado em 17 abr 2019, 10h35

Uma pesquisa recente feita pelo Ibope Conecta, a pedido da marca Head & Shoulders, revela que 85% das brasileiras acham que o cabelo interfere na autoestima. Mas essa valorização está longe de ser uma nova tendência ou exclusividade do nosso país.

Quem nunca ouviu falar em Sansão, o personagem bíblico que perdeu a força quando passaram a tesoura em suas madeixas? Já no Egito antigo, quanto mais perucas um indivíduo colecionava, maior seu status social e poder de sedução — as melhores inclusive iam para a tumba com o dono. A moda da cabeleira postiça virou sensação mesmo nos séculos 16 e 17, na cabeça dos nobres europeus. Até a mudança de cor é registrada há milênios.

Para experts na área, não surpreende que esse caso de amor seja antigo. “O grande impacto do nosso visual vem do cabelo”, avalia a cosmetóloga Vânia Leite, professora da Universidade Federal de São Paulo e presidente da Associação Brasileira de Cosmetologia (ABC). Alguns estudos mostram que, embora não representem necessariamente risco de vida, doenças que afetam os fios acabam abalando pra valer o bem-estar.

De acordo com a dermatologista Aline Donati, da clínica DermaHair, em São Paulo, um levantamento internacional intitulado Global Burden of Disease ilustra bem essa situação. Ele registra que pessoas com alopecia areata – condição que causa de pequenas falhas até a perda completa dos pelos do corpo – apresentam um prejuízo na qualidade de vida similar ao de pessoas com melanoma, câncer de pele especialmente agressivo.

Continua após a publicidade

Outro sinal do prestígio dos cabelos nos dias atuais está na oferta surreal de xampus, condicionadores e cremes em prateleiras de farmácias, perfumarias e supermercados – a crise econômica passa longe desse setor. Fora os salões de beleza, que se propagam em ritmo frenético e ofertam incontáveis serviços. Não à toa, tem fio que um dia está liso, no outro enrolado… Às vezes loiro e, depois, vermelho.

Tudo isso, é bom você saber, cobra um preço das madeixas. É hora de desfilar por esse vasto universo – dos perrengues capilares aos cuidados essenciais.

Os 7 tipos de fios

  • Lisos
  • Levemente ondulados
  • Ondulados
  • Levemente encaracolados
  • Encaracolados
  • Muito encaracolados

Quais os problemas que mais afetam os cabelos

Procedimentos químicos, alimentação e estresse podem danificar os cabelos. E as ameaças não são poucas: queda, descamação, oleosidade, frizz…

Para te ajudar a combater esses males, SAÚDE listou sete problemas capilares pra lá de comuns no nosso país e ensina o que fazer para reverter a situação em cada um. Clique aqui para descobrir como tratar e evitar essas chateações.

Continua após a publicidade

Os produtos ideais para cada tipo de cabelo

Como dissemos no início da matéria, a oferta de produtos para os cabelos não é pequena. No meio de tantos xampus, condicionadores e óleos diferentosos, fica até difícil saber qual é mais adequado às nossas necessidades.

Clicando nesse link, você descobre para que servem e como usar sete itens — desde os mais comuns até os que caíram no gosto da população há pouco tempo.

Dá para fazer procedimentos no cabelo sem danificá-lo?

Mudar a cara das madeixas é um hábito que faz parte do dia a dia das brasileiras. Tanto que boa parte da população muda a textura dos fios na adolescência. E ainda tem tintura, hidratação, descoloração…

O problema é que todas essas mudanças cobram um preço dos fios. Nesse link, você conhece cinco procedimentos populares e dicas para realizá-los de forma segura — em casa ou no salão.

Continua após a publicidade

É fato ou boato?

Quando se trata de cabelo, o que mais se tem por aí são conselhos familiares que ouvimos desde a infância. Mas será que eles realmente fazem sentido? SAÚDE selecionou 10 dicas bastante difundidas e checou se elas são verdadeiras ou falsas.

Publicidade