Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

A evolução do transplante capilar

Graças ao avanço médico e tecnológico, procedimento inaugurou nova era na restauração dos cabelos (e da autoestima)

Por Jurandir Alabarce Carrascosa Junior, cirurgião especialista em transplante capilar*
9 Maio 2022, 08h48

O transplante capilar mudou a história do tratamento da queda de cabelo e da calvície. Sobretudo com a técnica conhecida no meio pela sigla FUE, em que os folículos capilares são extraídos e realocados um a um, chegamos a uma nova abordagem para a restauração dos cabelos, permitindo resultados mais naturais e efetivos após as cirurgias.

Hoje em dia, o procedimento é minimamente invasivo e conta com sedação bem leve. Consegue dar mais densidade ao conjunto dos fios, deixar a linha capilar mais próxima do natural e trazer mais satisfação aos pacientes (tudo isso sem oferecer mais riscos).

Essa é a grande vantagem em relação às técnicas mais antigas, como a FUT, que limitava a quantidade de folículos transplantados e oferecia um pós-operatório mais doloroso, além de não poder atender todas as queixas. Neste método, tirava-se uma faixa do couro cabeludo e se preparavam enxertos para sua implantação, em média de 2 a 2,5 mil unidades foliculares. Só que a tática era incapaz de resolver casos que necessitavam de maior densidade dos fios.

Logicamente, a calvície (a alopecia androgenética) é uma condição que requer acompanhamento de modo contínuo e, fora o transplante, pode ser tratada com medicamentos tópicos ou via oral e terapias localizadas.

 + LEIA TAMBÉM: Queda de cabelo é associada à Covid-19

Para obtermos o melhor resultado e traçarmos o plano terapêutico, fazemos uma consulta tricológica antes, que dura em torno de 40 a 50 minutos, para determinar o que está por trás da queda de cabelo, a viabilidade do transplante e as expectativas do paciente.

Continua após a publicidade

Também precisamos fazer uma avaliação da área capilar doadora e verificar se existem doenças que eventualmente contraindiquem o procedimento (como problemas de coagulação e sangramento excessivo ou distúrbios autoimunes). Infecções ou tumores no local também precisam ser tratados antes da intervenção.

A implementação da FUE, do inglês Follicular Unit Extraction, iniciada há cerca de 20 anos, é realmente um divisor de águas. Com essa técnica, os folículos são extraídos e conservados a 4-8 graus Celsius e, depois, implantados um a um.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Com o uso de técnicas cirúrgicas com lâminas especiais à base de safira, pinças de alta precisão e novos dispositivos de implantação, conseguimos personalizar a operação, alcançar a densidade ideal dos fios e melhorar a aparência geral onde mais o paciente precisa.

O método FUE também tem taxas de perda de folículos bem baixas, o que impacta inclusive no custo do processo. Mais recentemente, a chegada de sistemas robóticos para auxiliar o procedimento trouxeram ainda mais precisão, mas não há como deixar de ponderar que tornam a cirurgia mais cara nem estão amplamente disponíveis no país.

Continua após a publicidade

Um ponto a destacar é que o sucesso do transplante capilar depende muito de equipes médicas especializadas e bem treinadas. Isso não só garante o resultado esperado no tempo adequado como minimiza o risco de complicações, que, no geral, são raras (infecção, hematoma, demora na cicatrização etc.) A técnica FUE, como mencionei, diminui a possibilidade desses problemas.

Estamos em um novo momento, com técnicas mais ágeis e eficientes. Chegamos a uma era em que o transplante capilar pode ser feito sem medo e oferece cada vez mais bons resultados.

Compartilhe essa matéria via:

* Jurandir Alabarce Carrascosa Junior é cirurgião especialista em transplante capilar e diretor médico da rede Mais Cabello

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.