Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Insuficiência cardíaca, a doença do século 21

Especialista conclama a população a conhecer e se defender desse mal que ataca o coração e sabota a qualidade e a expectativa de vida

Por Dr. Manoel Canesin*
Atualizado em 28 nov 2018, 11h20 - Publicado em 23 out 2017, 17h59

Sedentarismo, má alimentação, hipertensão, diabetes… Eis alguns dos problemas cada vez mais presentes no dia a dia dos brasileiros em razão das condições de vida da nossa sociedade. Todas as pressões do cotidiano e maus hábitos acabam maltratando nosso coração, que aos poucos vai perdendo sua capacidade de funcionar corretamente e acaba aumentando de tamanho para compensar a necessidade de maior esforço. Essa disfunção é o que chamamos de insuficiência cardíaca.

Na história da medicina ela é uma conhecida de longa data, mas digamos que não era muito discutida. Há 30 anos, muito menos pessoas sobreviviam ao infarto, ao derrame ou aos fatores de risco como hipertensão e o colesterol elevado.

Mas, agora, a importância dada a essa condição chega com força. Hoje é comum ver pessoas passarem por um infarto e seguirem com as suas vidas – algo mais raro antigamente. Também deparamos no cotidiano médico com crianças e jovens já reféns do sedentarismo e da pressão alta, por exemplo. E é por isso que aumentam os números de indivíduos com insuficiência cardíaca, assim como a preocupação com o assunto.

A insuficiência não se resume ao crescimento do tamanho do coração ou à falta de fôlego para subir escadas. Está relacionada a um alto volume de mortes e debilitações. Muitos acabam acreditando que a vida após um infarto, ou de uma pressão alta mal controlada, é extremamente restrita ou que ter um “coração inchado” é sinônimo de apresentar dificuldades para realizar as tarefas do dia a dia. Isso só mostra, porém, quanto a insuficiência cardíaca não está sendo tratada corretamente.

É preciso que as pessoas relatem essas dificuldades e não tenham qualquer sentimento de vergonha por isso. Os médicos, ao mesmo tempo, devem reconhecer estes sintomas para poderem fazer o diagnóstico de insuficiência cardíaca – como cansaço, fadiga, falta de ar, desânimo, que em muitos casos não é feito. Só assim médicos e pacientes entenderão quanto a insuficiência cardíaca está afetando a qualidade de vida da população.

Estudos internacionais apontam um aumento no número de pessoas com a doença nos últimos anos. Segundo a Associação Americana do Coração, 5,7 milhões conviveram com a doença entre 2009 e 2011. O número subiu para 6,5 milhões no período até 2014. E a previsão é que esses casos cresçam 46% até 2030, chegando à marca de 8 milhões de pessoas.

Como médico, percebo que há uma grande responsabilidade por não enfatizarmos quanto devíamos ao longo dos anos a importância desse problema, as medidas para evitá-lo e a necessidade de buscar novas soluções. Porém, vejo que não apenas médicos, mas todos os envolvidos com o cuidado dessa condição precisam dar mais atenção a esse crescente problema de saúde pública.

A Rede Brasileira de Insuficiência Cardíaca (REBRIC) é parte desse esforço que cardiologistas em união com outros especialidades médicas e profissionais de saúde (enfermeiros, fisioterapeutas e outros), hospitais, universidades, sociedade civil, pacientes, governo e entidades privadas, estão desenvolvimento para ajudar a população na conscientização da doença. A REBRIC é a nossa luta para que a previsão do grande aumento de pacientes não se concretize e para aqueles que adquirirem a doença tenham um diagnóstico precoce, além do melhor tratamento.

Continua após a publicidade

É preciso mudar os hábitos para que a insuficiência cardíaca deixe de impor uma significativa perda na qualidade de vida entre os milhões de brasileiros que convivem com a doença ou ainda a terão. Cuide da sua pressão arterial e do seu estilo de vida hoje para que a insuficiência cardíaca não se manifeste amanhã.

* Dr. Manoel Canesin é professor titular de cardiologia da Universidade Estadual de Londrina (UEL), PhD pela Universidade de São Paulo (USP) e presidente da Rede Brasileira de Insuficiência Cardíaca (REBRIC)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.