saudeLOGO Created with Sketch.

Insuficiência cardíaca: quando a máquina quer pifar

Levantamento sobre a doença entre os brasileiros aponta os desafios para prevenir e remediar esse problema tão ligado ao estilo de vida

Após décadas de trabalho estressante, no limite da capacidade, o coração pediu arrego. Ele fez tudo o que podia para garantir que o sangue fosse distribuído pelo organismo: acelerou as batidas, ficou mais forte, ganhou até volume… Mas nada trouxe resultado. Todas essas mudanças de padrão, pelo contrário, só pioraram as coisas. Até que o músculo cardíaco já não pena sozinho. O corpo inteiro padece. Na prática, isso significa que o fôlego acaba em uma caminhada mais intensa até a esquina. Literalmente.

Essa novela, que pode terminar no colapso do órgão, se desenrola todos os dias no peito de 6 milhões de brasileiros. Eles sofrem de insuficiência cardíaca. “Nessa situação, o coração não consegue bombear o sangue direito”, resume a cardiologista Sabrina Bernardez Pereira, do Hospital do Coração, na capital paulista. Apesar de tão séria e comum, não existia um balanço das características desse problema em nosso país. Para suprir a lacuna, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) acaba de lançar seu primeiro levantamento focado na insuficiência cardíaca. Os médicos acompanharam 1 263 pacientes com a enfermidade espalhados por 51 hospitais das cinco regiões do território. O objetivo era conferir como andam o diagnóstico, o tratamento e a evolução do quadro ao longo dos anos — e quais condições e hábitos estão associados ao seu aparecimento.

O cenário que os especialistas desvendaram não é nada animador. “O número de indivíduos que morrem de insuficiência quando chegam ao hospital é duas vezes mais alto do que nos Estados Unidos e três vezes mais elevado em relação à Europa”, calcula o cardiologista Fernando Bacal, diretor da Unidade Clínica de Transplante Cardíaco do Instituto do Coração (InCor), em São Paulo, e um dos autores do estudo. Como se não bastasse, quase 30% dos doentes que tiveram alta voltam a ser internados após alguns meses, um reflexo da falha no acesso a medicamentos e na escassez de informações sobre como se cuidar. “O paciente só chega ao médico quando o problema já está avançado e difícil de tratar”, lamenta Bacal. Já está ruim? Pois pode piorar: com o envelhecimento da população, nos próximos 15 anos a turma dos corações cansados ganhará a companhia de 2 milhões de brasileiros — afinal, a idade é um fator de risco para a complicação.

O que está por trás dela 

Apesar de insidiosa, a insuficiência cardíaca tem um ponto vulnerável: sua evolução é lenta. Ela demora décadas para alcançar o estágio gravíssimo. Portanto, o sonho dos cardiologistas é flagrá-la em uma fase em que o órgão ainda não teve avarias e cortar os elementos de agressão. E é aí que entra o estilo de vida. Hoje a principal condição que patrocina a insuficiência é a pressão alta. O levantamento acusa que ela afeta sete em cada dez pessoas com o coração doente.

Na hipertensão, as artérias ficam mais estreitas, o que dificulta a passagem de sangue. “Para vencer a resistência, o coração começa a bater com força e se sobrecarrega”, ensina o cardiologista Denilson Albuquerque, coordenador do trabalho da SBC e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Se a pressão não for controlada, o órgão trabalha feito louco por anos e anos. E o que acontece com ele? Pense numa academia de ginástica: se você exigir muito dos seus músculos, eles vão crescer. O mesmo vale para o coração. Ele se avoluma, o que prejudica o baticum e a função de ejetar o sangue para a circulação.

Outras duas condições que botam fichas a favor da insuficiência cardíaca são o colesterol alto e o diabete, comuns em 35% dos participantes da pesquisa. Mas seu papel nesse desfecho é mais indireto. “O excesso de gordura e glicose nos vasos propicia infartos”, aponta Sabrina. Quando se escapa ao ataque cardíaco, o coração fica com uma cicatriz, o que limita os movimentos de contração e relaxamento. Com o tempo, ele tende a entrar naquele estado de fadiga. Dê uma olhada no infográfico abaixo:

Marcus Penna Marcus Penna

A investigação da SBC também foi capaz de mostrar as particularidades do problema em terras brasileiras. O melhor exemplo disso é o impacto da doença de Chagas no desenvolvimento da insuficiência cardíaca. Enquanto nos Estados Unidos e na Europa praticamente não há relação entre as duas condições, no Brasil 10% dos corações cansados são consequência de uma picada do inseto barbeiro, que transmite o protozoário Trypanosoma cruzi.

O parasita pode se instalar no músculo cardíaco e viver lá durante anos sem dar nenhum sinal. “Depois de algumas décadas, ele dá início a um processo de inflamação ali, que resulta na dilatação do órgão”, aponta o médico Ricardo Pavanello, diretor de pesquisa da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo. É por isso que a gente ouve falar que o Chagas deixa o coração inchado. A miocardite, nome científico desse quadro, é bem comum no Centro-Oeste e no Sudeste.

Leia mais: Ter o coração saudável é bom para o cérebro

Também chama atenção no levantamento o elo entre outro distúrbio, este bem mais comum nas cidades grandes, com a fadiga no peito: a apneia do sono. Marcada por roncos e interrupções no fluxo respiratório durante o repouso, ela incide em até 60% dos portadores de insuficiência. “Sabemos que a falta de oxigênio provoca a liberação de substâncias inflamatórias que afetam o coração”, diz o cardiologista Dirceu Rodrigues Almeida, da Universidade Federal de São Paulo. Considere que essa descarga de estresse é despejada no peito noite por noite, anos a fio. Uma hora isso rende algum chabu.

Já a depressão aparece em 13% dos que tinham insuficiência. Por ora, os médicos não sabem dizer se ela é causa ou consequência da pane cardíaca. O fato é que não conseguir realizar tarefas cotidianas, que exijam um pouquinho de esforço, é uma das características mais angustiantes da doença. “Imagine pessoas que caminhavam por quilômetros e agora sofrem para ir ao banheiro”, relata Sabrina. O impacto na autoestima e na rotina requer muitas vezes o apoio de um psicólogo, a fim de precaver que a tristeza conquiste terreno demais.

Uma questão de atitude

A regra número 1 para tratar (ou prevenir) a insuficiência cardíaca é mudar o estilo de vida. Ao adotar hábitos saudáveis nos primeiros estágios, dá para evitar que a enfermidade ganhe traços dramáticos. “É essencial emagrecer e restringir o consumo de gordura e açúcar”, exemplifica Almeida. Isso vai ajudar a evitar que o colesterol alto e o diabete, dois gatilhos para o colapso cardíaco, se instalem de vez.

Boa parte das pessoas também tem de abandonar o álcool, pois ele pode lesar as células do coração. Os médicos liberam uma ou duas doses apenas em ocasiões especiais. “Também é preciso maneirar no sal e na ingestão de água e outras bebidas”, completa o cardiologista Alexandre Soeiro, supervisor da Unidade de Emergência do InCor. É que essa dupla é capaz de piorar a retenção de líquidos, o que acaba em inchaço nas pernas e na barriga — um traço típico da insuficiência.

Enquanto algumas práticas estão banidas, outras são incentivadas. Por muito tempo, o exercício físico foi proibido para quem tinha o coração fatigado. Se a pessoa mal caminha sem perder o fôlego, que dirá se aderir a um treino de ginástica… Mas esse pensamento caiu por terra. Hoje, praticar um esporte é um recurso valioso (e obrigatório) no controle da doença. “Exercícios relaxam os vasos, oxigenam os músculos e favorecem a capacidade de bombeamento do órgão”, enumera Almeida. Sem contar que dão aquele ânimo.

As sessões, que envolvem caminhada e musculação, devem ser feitas em clínicas de reabilitação especializadas, acompanhadas de um profissional de educação física. Tudo para que não se ultrapassem os limites seguros. Normalmente, a carga de treinamento é leve e a intensidade sobe de acordo com a melhora. Hidroterapia, ioga e tai chi são outras modalidades prescritas nesses casos.

Apesar de ajustes na rotina serem tão importantes para pessoas com insuficiência cardíaca, a pesquisa da SBC constatou que uma das principais falhas está na comunicação entre médico e paciente. Apenas 16% dos portadores foram informados sobre o papel da atividade física, enquanto só 34% receberam orientações de mudar a dieta, com a redução no consumo de sódio e de gordura. “A ausência desse diálogo culmina no abandono das mudanças no estilo de vida e na falta de adesão à medicação”, analisa Bacal. Para reverter essas estatísticas, os experts apostam em mais tempo de consulta e nas equipes multiprofissionais, atentas a todos os detalhes do paciente.

Soluções na farmácia

Só que nem sempre basta mexer na alimentação e suar a camisa. Se a insuficiência progride e já há danos, medicamentos são mais que necessários. Os primeiros são os diuréticos, que incentivam a eliminação de líquidos pela urina e reduzem os inchaços pelo corpo. Uma segunda classe de drogas tem ação vasodilatadora, ou seja, amplia o calibre de veias e artérias para facilitar a passagem do sangue e, assim, aliviar o trabalho do músculo cardíaco. Em terceiro lugar vêm os chamados betabloqueadores, que brecam a ação da adrenalina, hormônio que intensifica o ritmo cardíaco. Por último, e não menos importante, estão os inibidores da enzima conversora de angiotensina, ou simplesmente IECA. Sua missão é impedir que moléculas estreitem os tubos sanguíneos. Quais o indivíduo terá de tomar ou quais as combinações ideais? Só o médico, após avaliar direitinho, poderá dizer.

Mas (e sempre tem um “mas”) existem pessoas que não obtêm bons resultados com esse quarteto farmacológico. Aí entram alternativas, como a droga ivabradina, que diminui a cadência dos batimentos. E há novidades promissoras por vir. Talvez a mais esperada seja um comprimido ainda em es-tudo da farmacêutica suíça Novartis. Seu nome provisório é LCZ696 e seu potencial terapêutico foi apresentado e debatido no congresso da Associação Americana do Coração de 2014. Os pesquisadores compararam sua eficácia com o principal representante da classe dos IECA em 8 mil voluntários. Em relação ao medicamento já no mercado, o produto da Novartis reduziu em 20% as taxas de mortalidade e hospitalização, bem como o tempo de UTI e a necessidade de visitas ao pronto-socorro. “Achados tão expressivos vão antecipar a aprovação da droga nos Estados Unidos para o segundo semestre deste ano”, conta o médico Felix Ramires, coordenador do Programa de Insuficiência Cardíaca do Hospital do Coração. A expectativa é que ele ganhe o ok das agências regulatórias brasileiras em 2017.

Leia mais: Novo remédio é eficaz para tratar colesterol muito elevado

Mas o que essa droga tão aguardada tem de especial? Logo de cara, ela reduz os níveis de angiotensina, elemento que, em excesso, faz os vasos sanguíneos ficarem no sufoco. “Além disso, estimula a liberação de uma proteína que protege especialmente o coração”, destaca Ramires. Essa dupla ação, inédita, é o que confere ao remédio o status de um dos maiores avanços na cardiologia desde os anos 1980.

Nos casos avançados da insuficiência, em que comprimidos não dão mais conta do recado, o jeito é recorrer a cirurgias de revascularização, que desobstruem as artérias, marca-passos para acertar as batidas e até mesmo ao coração artificial, um dispositivo que substitui a peça original. “Também há a opção do transplante cardíaco, mas esbarramos no número reduzido de doadores no país”, lembra Fernando Bacal. Em 2014, foram 311 operações dessa natureza por aqui, a maioria esmagadora para sanar a insuficiência cardíaca. Muito antes de chegar a esse ponto, porém, você já sabe que é possível adotar atitudes preventivas, investindo em um estilo de vida saudável. É o roteiro mais seguro para evitar que a máquina que abrigamos no peito dê sinal de cansaço.

Para deixar o coração tinindo

O flagra precoce e a terapia adequada permitem que o músculo continue trabalhando direito

O diagnóstico

A detecção da insuficiência cardíaca se dá no consultório. Se o indivíduo está com hipertensão, diabete, falta de ar e pernas inchadas, há uma boa probabilidade de ter a doença. “Aí pedimos exames como o ecocardiograma para confirmar a suspeita”, explica o cardiologista Marcelo Sobral, do Hospital Beneficência Portuguesa, na capital paulista.

O tratamento

Além de cuidados como uma alimentação regrada e a prática de atividade física orientada de perto, o controle da insuficiência cardíaca depende de uma série de medicamentos. E um novo fármaco, previsto para 2017, deve revolucionar a luta contra a doença.

Estatísticas alarmantes

Os números da insuficiência cardíaca em nosso país

  • 6 milhões de pessoas têm insuficiência cardíaca no Brasil, segundo as últimas projeções
  • 10% dos brasileiros acima de 80 anos possuem o problema — entre os 40 e os 59 anos, a incidência cai para 1%
  • 70% dos indivíduos com a doença também convivem com a hipertensão
  • A previsão é um aumento de 40% nos casos de insuficiência cardíaca no país até 2030
  • A média de idade dos participantes do levantamento brasileiro foi de 64 anos
  • 34% deles foram orientados sobre o papel de uma boa alimentação, sem abuso de sal e de líquidos
  • 16% dos pacientes recebiam conselhos para fazer uma atividade física
  • 67% daqueles que têm insuficiência cardíaca declararam se lembrar de recomendações sobre o jeito certo de usar os remédios
  • 29% das complicações da doença acontecem justamente por causa da baixa adesão ao tratamento e de equívocos na hora de tomar os remédios
  • A média de sobrevivência após o diagnóstico da insuficiência cardíaca no Brasil é de 5 anos
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s