Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Fisioterapia no esporte: do ganho de desempenho à prevenção de lesões

Acompanhamento profissional não ajuda só na reabilitação após se machucar. Ele prepara o corpo para evoluir no treino e afastar lesões

Por Márcio Renzo, fisioterapeuta*
18 Maio 2022, 09h48

A prática de exercícios está entre as principais medidas defendidas pelos profissionais de saúde em prol da qualidade de vida. Mas, quando ela não é supervisionada ou extrapola o limite do indivíduo (atleta ou não), lá vem lesão!

Antes de tudo, é importante entender que fazer qualquer esporte, seja uma atividade de lazer no fim de semana, seja uma atividade de alta performance com treinos diários, exige definição de objetivos, preparo e mudanças na rotina. Engloba uma alimentação adequada, cronograma de evolução, posturas corretas durante a prática, questões metabólicas… Tudo isso pode interferir no desempenho e predispor a lesões.

É evidente que temos uma diferença entre esportes de alto desempenho e aqueles praticados por não atletas. Como o nome sugere, alto desempenho remete a competição, ganho de posições em rankings, redução do tempo de prova, superação de adversários, barreiras e limites. Não é à toa que essas modalidades estejam ligadas à maior causa de lesão esportiva: a por sobrecarga.

+ LEIA TAMBÉM: Atividade física é remédio para quem tem doença reumática

Esse tipo de lesão se deve a uma atividade feita de forma repetitiva, que acentua um desgaste natural para o músculo, a articulação ou o osso. Quando não controlada, leva o sujeito a ter dores, inchaços e até deformações.

Por isso, quando pretendemos começar a praticar um esporte, é essencial que vejamos as características necessárias para a prática e avaliemos se temos condicionamento e perfil para aquela modalidade.

Esportes de contato (como artes marciais, futebol e basquete) geralmente exigem maiores esforços e nos deixam mais vulneráveis a lesões. Mas mesmo esportes individuais, sem contato com pessoas ou objetos, podem gerar sobrecargas e danos físicos.

Continua após a publicidade

Aí chegamos à fisioterapia esportiva. Ela não está a serviço apenas de tratar lesões. Pode atuar de modo preventivo preparando o indivíduo para o esporte por meio de técnicas que trabalhem tanto ganho de desempenho como proteção contra lesões.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

E, mesmo na presença delas, a fisioterapia é uma importante coadjuvante do tratamento médico, pois promove uma recuperação mais rápida e eficiente.

Continua após a publicidade

O trabalho do fisioterapeuta vai se moldar aos objetivos e ao tipo de esporte praticado. O profissional poderá, assim, auxiliar na preparação e execução dos movimentos, na reeducação de posturas, no fortalecimento das estruturas do corpo recrutadas.

Em uma atividade esportiva, sobretudo de alta performance, nosso aparelho musculoesquelético sofre simultaneamente a ação de sobrecargas posturais, forças diversas sobre as articulações e movimentos repetitivos. É um ciclo que favorece ou intensifica desgastes.

+ LEIA TAMBÉM: Relógios e pulseiras inteligentes para malhar viram tendência

A fisioterapia entra em cena justamente para evitar essas lesões, minimizar seu impacto e promover o restabelecimento aos exercícios caso aconteçam. Embora os esportes sejam complexos e diferentes entre si em termos fisiológicos e biomecânicos, existem sete mecanismos básicos por trás das lesões:

  • por contato
  • por sobrecarga de movimento
  • por excesso de uso
  • por vulnerabilidade da estrutura
  • por falta de flexibilidade
  • por desequilíbrio muscular
  • por crescimento rápido

Todos esses aspectos podem e devem ser levados em consideração. Daí a importância de um profissional capacitado para orientar e acompanhar o praticante. Ele irá trabalhar para que a evolução do desempenho não venha à custa de lesões.

Compartilhe essa matéria via:

Lembre-se disso e bom treino!

* Márcio Renzo é fisioterapeuta e capitão do Corpo de Bombeiros de São Paulo

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.