Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Dignidade Menstrual: um direito de todas as pessoas que menstruam

A chamada pobreza menstrual, além de ferir o bem-estar emocional, pode favorecer infecções como candidíase e cistite. Como enfrentar esse problema?

Por Leila Carvalho, ginecologista* 13 jun 2022, 12h26

A primeira menstruação ocorre por volta dos 12 anos. Após esse episódio, chamado de menarca, serão em torno de 38 a 40 anos de ciclos mensais, com aproximadamente cinco dias de fluxo até o dia da última menstruação, a menopausa. O ciclo menstrual é parte do processo de desenvolvimento reprodutivo e inerente ao corpo – por isso, é importante explicá-lo e desmistificá-lo para além da urgente necessidade de educação em saúde. Da mesma forma, o acesso a itens básicos de higiene e a condições adequadas de saneamento se fazem essenciais para o desenvolvimento individual e do bem-estar de todas as pessoas que menstruam, garantindo a dignidade menstrual.

Apesar de não existir na literatura médica, o termo “dignidade menstrual” foi criado para maior compreensão de um assunto de extrema relevância no país e no mundo, que se caracteriza pelo acesso a produtos e condições de higiene adequados. A ausência desses fatores dá lugar à pobreza menstrual, responsável por consequências a curto e longo prazo.

+Leia também: Cor e fluxo diferentes na menstruação podem indicar doenças?

No Brasil, uma pesquisa de 2021 realizada por SEMPRE LIVRE® em parceria com os Institutos Kyra e Mosaiclab obteve respostas de 814 mulheres entre 14 e 45 anos que menstruam regularmente sobre o assunto. Ela revelou que 16% das entrevistadas já deixaram de ir com frequência à escola quando estavam menstruadas por causa das condições de higiene do banheiro, enquanto 12% faltaram em algum momento por não estarem com absorvente adequado.

A pesquisa ainda apontou que os itens improvisados muitas vezes são inadequados para atender às necessidades do período menstrual. Me refiro a sacos plásticos, roupas velhas, panos e papel higiênico. E o reflexo disso pode afetar diretamente a saúde física.

De acordo com o levantamento de SEMPRE LIVRE®, muitas das entrevistadas relataram problemas genitais nos últimos 12 meses:

  • 28% infecção urinária ou cistite
  • 24% candidíase
  • 11% infecção vaginal por fungo
  • 7% infecção vaginal por bactéria.

Além, claro, das consequências emocionais, que são tão graves quanto.

Continua após a publicidade

Compartilhe essa matéria via:

O acesso à higiene menstrual é um tema de saúde pública e, fundamentalmente, de direitos humanos, conforme apontado pela Organização das Nações Unidas (ONU). A população mais exposta a essa realidade são pessoas em situação de rua e com maior vulnerabilidade social e econômica. Porém, tabus e estigmas são grandes agravantes em todos os cenários, já que inibem a discussão sobre um processo fisiológico e natural.

Considerando os dados da pesquisa de SEMPRE LIVRE® e a população que menstrua em situação precária, estima-se que 11,3 milhões de brasileiras são afetadas diretamente pela pobreza menstrual. O que nos faz pensar que, para combater esse cenário, é preciso uma mudança cultural. A ausência do tema nos debates públicos dá a entender que o assunto é pessoal e individual, quando, na realidade, trata-se de algo que precisa ser normalizado em todas as esferas.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Nesse sentido, diversas ações coordenadas de educação, informação, esclarecimento e acesso também são essenciais. A partir disso, seremos capazes de melhorar o desenvolvimento socioemocional de pessoas que menstruam, promovendo mais equidade, saúde e dignidade menstrual.

* Leila Carvalho, ginecologista e diretora de Medical Affairs da Johnson e Johnson Consumer Health.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)