Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Cistite: sintomas, remédios e prevenção dessa infecção urinária

O que é, afinal de contas, esse problema e quais as opções que temos para nos prevenir dele ou ao menos tratá-lo adequadamente

Por Goretti Tenorio Atualizado em 8 mar 2019, 12h27 - Publicado em 5 set 2017, 16h14

As infecções urinárias são muito frequentes — elas, por exemplo, foram responsáveis pela internação da atriz Rogéria, que acabou morrendo posteriormente. Entre as variações desse problema, destaca-se a cistite, que é deflagrada por bactérias e causa dor e ardência ao urinar.

Na maioria dos casos, os micro-organismos responsáveis pelo problema são do grupo dos coliformes fecais que habitam o intestino, sobretudo a bactéria Escherichia coli. Um descuido na higiene é suficiente para promover a migração desses germes para os órgãos genitais e, de lá, para a uretra e a bexiga. Uma vez ali, encontram um ambiente perfeito para se multiplicar, desencadeando a infecção.

Além da limpeza inadequada após a evacuação, a contaminação pode ocorrer durante o sexo, quando os micróbios presentes na área perianal conseguem chegar até a uretra. O desconforto aparece também quando a mulher segura a urina por muito tempo: a bexiga cheia se torna um lugar propício para as bactérias se propagarem.

Entre os homens, a cistite é bastante incomum. Em geral, só aparece na maturidade, quando um eventual aumento da próstata dificulta o esvaziamento da bexiga, gerando acúmulo de urina.

Propensão genética, baixa imunidade ou bactérias mais agressivas podem fazer com que a infecção se estenda até a pelve do rim. Um quadro assim é capaz de desencadear uma insuficiência renal ou até uma septicemia, complicação em que o processo infeccioso se espalha pelo corpo, levando a vítima ao risco de morte.

Sinais e sintomas

– Dor e ardor ao urinar

– Dor no baixo ventre

– Sensação persistente de bexiga cheia, mesmo depois de esvaziá-la

– Presença de sangue no xixi

– Febre

– Dor nas costas

  • Fatores de risco

    – Sexo feminino

    – Idade avançada

    – Segurar o xixi

    Continua após a publicidade

    – Higiene malfeita

    – Diabetes

    – Prisão de ventre

    – Pedra nos rins

    – Uso de espermicidas quando se usa o diafragma para evitar gravidez

    A prevenção

    Tomar muita água é um hábito que ajuda tanto na prevenção quanto na eliminação das bactérias quando elas já se instalaram na bexiga. Como na maioria das vezes a contaminação acontece quando micro-organismos que saem pelas fezes entram no trato urinário pela uretra, canal por onde sai a urina, a higiene íntima precisa ser caprichada – e sempre utilizando o papel higiênico no sentido da frente para trás.

    Outra recomendação às mulheres é urinar após as relações sexuais, já que a ação mecânica da penetração facilita a invasão das bactérias. Aliás, segurar o xixi é uma ameaça a ser evitada. Quanto mais tempo os micróbios permanecem na bexiga, maior a probabilidade de se alojarem por ali.

    O diagnóstico

    O relato dos sintomas em geral é suficiente para distinguir a cistite de outras doenças do trato urinário. O urologista (ou ginecologista) em geral também solicita um exame de urocultura – uma amostra do xixi é analisada em laboratório para detectar a presença do micróbio e descobrir o tipo responsável pela infecção.

    A urina coletada servirá para a realização de outro teste, chamado antibiograma. Ele mostra como as bactérias reagem a diversos tipos de antibiótico, o que vai determinar a prescrição do medicamento mais eficaz para debelar a infecção.

    O resultado desses exames ajuda a descartar outro tipo de cistite, a intersticial, de origem desconhecida. A principal teoria é de que essa forma da doença ocorra em razão de falhas na mucosa que protege a bexiga, propiciando a entrada de substâncias capazes de irritar a parede do órgão. Em casos assim, tomar antibiótico é ineficaz e ainda colabora para aumentar a resistência das bactérias.

  • O tratamento

    Antes de tudo: beba bastante água. O tratamento da cistite em geral também prevê o uso antibiótico por pelo menos três dias, podendo se estender em casos de infecções mais severas e persistentes.

    Se nas primeiras 48 horas não há melhora do quadro, o médico poderá indicar a substituição do remédio. Ah! E analgésicos entram em cena para atenuar a dor típica da cistite.

    Vale lembrar que a automedicação, sempre desaconselhada, é ainda mais perigosa quando se trata de debelar bactérias. O uso de fármacos inadequados leva a uma resistência desses micro-organismos, tornando cada vez mais difícil seu controle.

    Pelo mesmo motivo, a medicação nunca deve ser interrompida antes do tempo determinado pelo especialista. Isso porque, ainda que os sintomas tenham desaparecido logo depois de tomar as primeiras doses, a bactéria continua viva e agindo na bexiga. Suspender o remédio antes da hora aumenta o risco de tornar a infecção ainda mais séria e resistente.

  • Para mulheres que sofrem com repetidos episódios de cistite, o médico pode usar a estratégia de receitar o antibiótico de forma preventiva, ou seja, em doses menores e por um período prolongado. Se a doença insistir em voltar ao término do tratamento, a saída pode ser o uso de uma vacina via oral que fortalece o sistema imunológico contra a bactéria Escherichia coli.

    Continua após a publicidade
    Publicidade