Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cor e fluxo diferentes na menstruação podem indicar doenças?

Alterações na intensidade e sangramentos fora de hora devem ser avaliados por um médico

Por Priscila Carvalho, da Agência Einstein*
Atualizado em 10 abr 2023, 16h56 - Publicado em 4 ago 2021, 12h30

Marrom, vermelho escuro e até rosado. O sangue menstrual pode ter vários tons e isso não é necessariamente um problema. Mais importante do que a cor, são as mudanças no fluxo, que, às vezes, sinalizam algum distúrbio. Por isso a mulher deve estar sempre atenta às características do seu ciclo, inclusive a duração.

Aquele sangue amarronzado — que lembra borra de café — não indica doenças por si só; é apenas um sinal de que já houve oxidação. Ele costuma aparecer logo no início ou no fim de cada período. Também pode ocorrer no formato de escapes, quando sai em pequenas quantidades.

O tom vermelho vivo significa que o endométrio (a camada que recobre o útero) acabou de descamar. Nesses casos, o sangramento pode ser grande e até mesmo em formato de coágulos, como se fossem pedaços mais viscosos.

alterações na intensidade e sangramentos fora de hora merecem atenção. “Esses sinais podem, sim, indicar doenças”, diz Lilian Fiorelli, uroginecologista e especialista em sexualidade feminina pela Universidade de São Paulo (USP).

+ Leia também: O ciclo menstrual influi no ânimo para se exercitar

Os problemas mais comuns por trás do fluxo anormal são pólipos, miomas, lesões no colo do útero e alterações hormonais. Se a perda excessiva de sangue não é interrompida, há risco de anemia.

Por outro lado, uma diminuição abrupta ou mesmo a interrupção do fluxo menstrual não raro aponta para a síndrome dos ovários policísticos. A ginecologista Larissa Cassiano, especializada em gestação de alto risco pela USP, destaca que o quadro também decorre do excesso atividade física.

A influência de medicações

Alguns remédios de uso contínuo afetam a quantidade do fluxo. Tratamentos para o hipotireoidismo, por exemplo, podem levar a um sangramento maior, principalmente em casos de superdosagem. Drogas que levam estrogênio na fórmula também. Por outro lado, certos anti-inflamatórios às vezes reduzem a intensidade da menstruação.

O que é a menstruação?

Ela nada mais é do que a descamação do endométrio. Ao longo do ciclo da mulher, que dura em média 28 dias, esse tecido vai ficando mais espesso para acomodar uma possível gestação. Se isso não acontece, ele é eliminado. A duração do sangramento varia de dois a oito dia.

Continua após a publicidade

Às vezes, gestantes têm um pequeno sangramento no início da gravidez, que pode ser confundido com a menstruação. Por isso, vale frisar: qualquer mudança, especialmente se vier acompanhada de outros sintomas, deve servir de alerta.

*Esse texto foi publicado originalmente na Agência Einstein.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.