Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Alimente-se com Ciência

Por Blog
Há muita ciência por trás das refeições. Neste espaço, profissionais da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição destrincham o papel de alimentos, nutrientes e cardápios realmente equilibrados em prol da saúde
Continua após publicidade

Uma reflexão sobre dietas de desintoxicação

Elas fazem sucesso nas redes sociais. Nutricionista conta o que esperar de um cardápio com essa proposta

Por *Rosana Farah Lamigueiro Toimil
Atualizado em 14 fev 2020, 10h52 - Publicado em 9 jun 2019, 15h30

As dietas de desintoxicação, também conhecidas como detox, tornaram-se altamente populares nos últimos anos. Pudera: elas prometem “limpar” do nosso organismo os principais agentes agressores, favorecendo a prevenção de doenças e também a perda de peso. Normalmente, estão associadas a grandes restrições alimentares e ao consumo de alguns itens específicos – a alegação é que eles seriam capazes de eliminar toxinas.

Mas é importante lembrar que a desintoxicação do nosso corpo acontece dia após dia, e de forma natural. É que o organismo possui mecanismos próprios e altamente sofisticados para realizar a eliminação de toxinas. Entre os sistemas e órgãos envolvidos nesse processo estão fígado, rins, aparelho gastrointestinal, pele e pulmões.

Vale ressaltar ainda que qualquer substância pode ser nociva. Tudo depende da dose e do tempo de exposição a ela. Portanto, é muito questionável a necessidade de limpeza divulgada nas redes sociais e mídia.

O que a ciência diz

Os estudos sobre essas dietas são escassos e discutíveis. Por outro lado, o que é sabidamente seguro e comprovado como benéfico é a mudança de hábitos, com adoção de uma alimentação mais equilibrada.

Priorizar o bom senso não gera os problemas decorrentes de uma dieta restritiva, como déficit de nutrientes e estresse. O nervosismo, aliás, tende a aumentar o hormônio cortisol, que acaba, por sua vez, estimulando o apetite – o que dificultaria a perda de peso.

Continua após a publicidade

Sem falar que padrões alimentares rígidos são associados a um aumento no risco de desenvolver um transtorno alimentar importante.

Em resumo, consulte um nutricionista e adote um plano alimentar saudável, capaz de garantir o bom funcionamento dos nossos órgãos e sistemas. Acredite: o corpo faz o restante de forma perfeita!

*Rosana Farah Lamigueiro Toimil é nutricionista e membro da Sociedade Brasileira para Alimentação e Nutrição (SBAN) e professora da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.