Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Alimente-se Comer é muito mais do que ingerir nutrientes. Na receita de uma alimentação equilibrada, também há ingredientes comportamentais, emocionais, culturais e ambientais, como mostra a nutricionista Lara Natacci

O que a nutrição tem a ver com as vacinas?

Alimentação equilibrada não só deixa a imunidade afiada como propicia o efeito esperado das vacinas. Nossa colunista explica essa relação

Por Lara Natacci 5 Maio 2021, 12h16

O bom funcionamento do sistema imunológico é essencial para que nosso organismo saiba se defender de doenças e possa aproveitar da melhor forma possível os benefícios da vacinação. Só que uma resposta imune eficiente requer um estado nutricional adequado.

Quando falo em estado nutricional, não me refiro apenas ao equilíbrio do peso e da composição corporal, mas sobretudo de um aporte de nutrientes na medida para atender nossas necessidades. Nessa conta entram proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas, minerais, fibras e compostos antioxidantes.

  • Alguns desses nutrientes são particularmente reconhecidos por exercer papel de peso no funcionamento do sistema imune. É o caso das vitaminas A, B6, B9, B12, C, D, E, e de minerais como zinco, selênio, ferro e cobre. Existem evidências científicas de que eles nos ajudam a afastar infecções.

    Mais do que isso: estudos com seres humanos associam deficiências imunológicas resultantes da falta de algumas dessas substâncias a respostas menos apropriadas de vacinas. Em contraste, também já foi observado que pessoas com certas carências nutricionais adquiriam uma melhor performance imunológica quando recebiam suplementos para repor o que faltava.

    Pesquisas ainda constataram que indivíduos que consomem pelo menos cinco porções de frutas, verduras e legumes por dia apresentam melhor resposta à vacinação em comparação com quem não ingere uma boa quantidade desses alimentos.

    Nestes tempos de Covid-19, em que a vacina se mostra um escudo fundamental, vale a pena incentivar o consumo dessas cinco porções diárias, ou pelo menos 400 gramas de vegetais. Uma porção (80 gramas) equivale a 3/4 de xícara de fruta, verdura ou legume picado, ou, ainda, a 1 unidade média.

    Infelizmente, sabemos que grande parte da população brasileira não ingere alimentos de origem vegetal no volume preconizado. Nesse caso, a suplementação pode ser uma estratégia alternativa, desde que prescrita por um um profissional capacitado.

    Além de uma alimentação balanceada, outros hábitos se refletem positivamente na nossa resposta imunológica:

    • Manter a hidratação em dia: consumindo uma média de 35 ml de água por quilo de peso corporal
    • Fazer exercício físico regularmente: pelo menos 150 minutos por semana
    • Ter um sono adequado: de preferência entre 7 e 9 horas por noite
    • Controlar o estresse: incluindo atividades relaxantes e de lazer na agenda

    Comer bem e com equilíbrio e cuidar da saúde são aspectos decisivos neste momento tão desafiador. E isso depende muito das nossas escolhas.

    Continua após a publicidade
    Publicidade