Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Menos açúcar para as crianças

Para a Associação Americana do Coração, o consumo entre os pequenos deve ser de até 6 colheres de chá por dia

Por Thiago Nepomuceno - Atualizado em 22 out 2016, 19h05 - Publicado em 24 ago 2016, 11h44

Segundo a Associação Americana do Coração (AHA, na sigla em inglês), o consumo diário de açúcar entre crianças e adolescentes de 2 a 18 anos deve ser de, no máximo, 25 gramas por dia – isso dá cerca de 6 colheres de sopa. O número foi cravado após uma análise de estudos anteriores sobre o efeito da substância na saúde dos pequenos. Para os menores de 2 anos, vale lembrar, a entidade recomenda zero açúcar, até porque isso pode reduzir a preferência por comidas nada saudáveis mais tarde. 

 

Continua após a publicidade

Leia também: Abaixo o açúcar!

 

Continua após a publicidade

Mas atenção: a indicação não tem a ver com o açúcar presente nos alimentos naturais, como frutas e leite. O que os experts querem evitar é o exagero em relação ao açúcar adicionado, aquele que faz parte da fórmula de refrigerantes, bolachas, sucos industrializados e outros itens superatraentes para a criançada.

A AHA explicou que esse açúcar é um baita perigo porque pode levar ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares, já que aumenta o risco de obesidade, hipertensão e diabete do tipo 2. Além disso, os autores do documento lembraram que a turminha que se empanturra de alimentos cheio de açúcar adicionado tende a comer menos itens saudáveis, como frutas, legumes, verduras e grãos. 

 

Continua após a publicidade

Leia também: Açúcar é uma bomba para os hipertensos

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Segundo a entidade, bebidas como refrigerante estão entre os maiores fornecedores do ingrediente doce. Para ter ideia, eles informam que uma única latinha (350 ml) de refri de cola tem cerca de 9 colheres de chá de açúcar. É muita coisa – inclusive, já bate a meta estipulada pela AHA. E os cientistas ainda não sabem se os adoçantes seriam bons substitutos. Logo, ainda não há orientações nesse sentido. 

Publicidade