saudeLOGO Created with Sketch.

Pesquisa mostra eficácia de alerta em rótulos de alimentos

A rotulagem de advertência, que chama a atenção para ingredientes críticos, tem ajudado consumidores chilenos

Em 2016, o Chile implementou um sistema que prevê alertas sobre o excesso de nutrientes críticos (sódio, açúcar e gordura) na parte frontal da embalagem de industrializados. Ao que parece, a medida está surtindo efeito.

Uma pesquisa liderada pela Universidade do Chile indica uma redução na compra de itens ricos em açúcar, por exemplo. Para bebidas adoçadas e cereais matinais, a queda foi de 25 e 14%, respectivamente. No levantamento, que ouviu adolescentes e mães de crianças, 90% dos entrevistados disseram valorizar o símbolo.

Para a nutricionista Laís Amaral, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, o Idec, o trabalho reforça que esse seria o melhor modelo para o nosso país. “Não adianta termos um rótulo bonito, porém incompreensível”, diz.

Já a nutricionista Vanderli Marchiori, consultora da Rede Rotulagem, iniciativa formada por 22 entidades do setor de alimentos e bebidas, vê a pesquisa com o pé atrás: “Devemos avaliar o que as pessoas estão colocando no lugar dos produtos açucarados”, opina.

Debate em andamento

É fato que a rotulagem mudará no Brasil. O que ainda não se sabe é qual modelo agrada mais à Anvisa, agência que regula o assunto por aqui – saiba mais sobre as duas principais propostas abaixo.

“Em relatório preliminar, a Anvisa recomendou o modelo de advertência como rótulo nutricional frontal”, conta Laís do Idec. Espera-se que a definição venha este ano.

Quais são as propostas e as diferenças entre elas

 (Foto: Chrissadowski/Getty Images)

Veja também