Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Chá verde: quais os reais benefícios à saúde

Bebida tradicional no Oriente, chá tem benefícios mas não é milagroso. Saiba mais sobre as vantagens e limitações do consumo, e se ajuda a emagrecer

Por Valentina Bressan
5 mar 2024, 16h03

O uso do chá verde para fins medicinais é tão antigo que foi registrado pela primeira vez na China há quase 2 mil anos, ainda no século 3 depois de Cristo. Ele é considerado o chá “verdadeiro” ou “original”. Isso porque, no início dessa história, a palavra “chá” se referia apenas à bebida produzida com as folhas da planta Camellia sinensis.

De acordo com a forma de colher e o processo de fermentação das folhas, a Camellia sinensis dá origem a três principais tipos de chá: o verde, o preto e o oolong. Séculos depois, começamos a usar a palavra “chá” para denominar de maneira geral a mistura de ervas e água quente – mas se você encontrar um aficionado por chá por aí, ele pode explicar que seu “chá de camomila” é apenas uma “infusão”.

Hoje, parte da popularidade do consumo do chá verde se deve aos supostos benefícios à saúde que ele proporciona. Os chás “tradicionais”, além de conterem cafeína, são ricos em polifenóis. Essas substâncias desempenham várias funções no corpo, tendo um papel antioxidante, antiviral e anti-inflamatório.

Daí vem a ideia de que o chá verde traria benefícios como a prevenção de doenças cardíacas, o controle do colesterol LDL e diminuiria o risco de doenças crônicas. Ah, e ele ajudaria a emagrecer. Mas será que faz tudo isso mesmo?

Continua após a publicidade

+Leia também: Uma planta, vários chás

Quais os reais benefícios do chá verde?

Embora tomar chá verde seja benéfico para a digestão e acelere o metabolismo, muitas das conclusões “milagrosas” sobre ele vêm de estudos conduzidos com animais.

No caso da prevenção de doenças cardiovasculares, por exemplo, os polifenóis de fato estão associados a um menor risco de doenças cardíacas, porque ajudam a manter a saúde dos vasos sanguíneos.

Continua após a publicidade

Como, entre os chás tradicionais, o verde é aquele que têm maior quantidade de polifenóis, surgiu a hipótese de que seu consumo poderia ajudar a driblar problemas cardiovasculares como hipertensão.

Só que a grande maioria dos estudos sobre chá verde conduzidos em humanos são do tipo observacional. Nessas pesquisas, o ambiente não é controlado: pessoas que bebem chá são acompanhadas e depois, os cientistas avaliam os desfechos na saúde da pessoa e tentam relacionar com o consumo do chá.

O problema é que podem haver falhas humanas nos registros, variações no tipo de chá consumido e infinitas interações com o restante do estilo de vida daquelas pessoas. Assim, ainda não dá para cravar associações certeiras entre o chá verde e o afastamento de doenças.

Continua após a publicidade

A mesma coisa acontece com as pesquisas sobre a relação entre chá verde e prevenção do câncer: os resultados de estudos em humanos são limitados e ainda inconsistentes.

Resumindo essa história, já existem boas indicações de que o chá verde possa trazer benefícios à saúde no dia a dia, mas as evidências científicas sólidas ainda são muito escassas para afirmarmos com certeza o efeito do chá no longo prazo.

Vale tomar chá verde para emagrecer?

Outra promessa do chá verde está relacionada à perda de peso. Uma pesquisa norte-americana mostrou como o chá verde ajuda a aumentar a porcentagem de queima de gordura corporal.

Continua após a publicidade

No entanto, não existe milagre: o chá verde até pode dar uma mãozinha, mas não vai trazer grandes resultados por si só. Se associado a uma dieta saudável e balanceada e a uma rotina de exercícios físicos, ele pode ajudar, principalmente por ser uma bebida bem pouco calórica, que dá um saborzinho sem agregar calorias.

Mas, nessa onda de acha que o chá verde chapa a barriga, surgiram suplementos em cápsulas contendo seu extrato, que supostamente queimariam vários quilos.

Esse tipo de suplemento é, inclusive, proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e traz vários riscos para o fígado.

Continua após a publicidade

Vale lembrar que outros diversos alimentos, como frutas, verduras e especiarias também são termogênicos – ou seja, também aceleram o metabolismo. E cabe destacar que esse efeito, na prática, é pequeno. O que importa mesmo é consumir menos calorias do que você gasta.

No mais, beber chá extremamente quente também pode aumentar o risco de câncer no sistema digestivo. Além disso, quem sofre com insônia, úlcera, gastrite ou doença no fígado deve ser cauteloso com o consumo de chá verde. Grávidas também precisam evitar o chá.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.