Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Machismo abala a saúde mental dos homens

Pesquisa indica que comportamentos de dominação os deixam mais propensos a sofrer problemas psicológicos

Por Karolina Bergamo - Atualizado em 20 dez 2017, 17h59 - Publicado em 8 dez 2016, 11h38

A violência contra mulher é uma questão de saúde pública. Uma em cada cinco mulheres já foi atacada pelo companheiro — um comportamento ligado ao machismo e sua aceitação na sociedade.

Embora em uma escala muito menor, essa postura pra lá de condenável também parece afetar o sexo masculino. Pesquisadores da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, mostraram que o machismo prejudica a saúde mental deles.

Leia mais: Por que as mulheres são mais vulneráveis a distúrbios alimentares

Segundo o estudo, homens que se veem como “playboys” (termo usado pelos cientistas para designar promiscuidade sexual) ou que buscam exercer poder sobre as mulheres são mais propensos a ter problemas psicológicos, como depressão, do que os que fogem a esses estereótipos. O excesso de autoconfiança também contribui para desajustes na cabeça.

Continua após a publicidade

Para chegar a essas conclusões, os experts juntaram 78 pesquisas que totalizaram mais de 19 mil participantes. E olha que os achados não acabam por aí: além de apresentarem distúrbios com maior frequência, os machistas buscam menos ajuda. “O machismo é uma injustiça social que abala as mulheres, mas também pode ter um efeito prejudicial sobre a saúde mental daqueles que abraçam tais atitudes”, afirma o psicólogo Joel Wong, um dos autores do estudo, em nota à imprensa.

Leia mais: Mulheres vítimas de violência agora têm direito à cirurgia plástica pelo SUS

Outra pesquisa, publicada no periódico British Medical Journal, descobriu que os homens que sentem estar abaixo dos padrões esperados para um “macho” seriam mais predispostos à violência. Isso significa que o comportamento abusivo é resultado da existência de padrões sociais e preconceitos.

As mulheres, claro, são as mais prejudicadas nesse processo. Em comparação com o ano passado, o número de casos de violência sexual aumentou 123%, segundo dados do Ligue 180, a central de atendimento à mulher da Secretaria de Políticas para Mulheres da Presidência da República (SPM-PR). Entre os casos, destacam-se a exploração sexual, o assédio e o estupro — o crime mais praticado entre eles.

Publicidade