Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Demência frontotemporal: a doença da gafe

Existe uma desordem neurodegenerativa que muda o nosso jeito de agir. E ela é tão comum quanto negligenciada mundo afora

Por Sílvia Lisboa - Atualizado em 11 jul 2017, 11h02 - Publicado em 13 fev 2017, 10h30

Estamos falando do segundo tipo mais comum de demência – e ela afeta inclusive gente com menos de 65 anos. Ao contrário de suas primas, mais destrutivas à memória, essa versão atinge em cheio o lado comportamental. Trata-se da demência frontotemporal (DFT), que causa desinibição, impulsividade e até depravação – sintomas curiosos a ponto de dificilmente serem associados a uma doença.

Para ajudar no diagnóstico precoce, uma equipe da Universidade Federal de Minas Gerais está na busca por exames capazes de flagrar a encrenca. “Até agora não existem biomarcadores ou medidas objetivas para a DFT”, diz o neurologista Leonardo Cruz de Souza, um dos líderes do grupo.

Detectá-la no início é crucial para evitar as implicações sociais. Um levantamento americano revelou que 37,4% dos pacientes tinham histórico criminal dado o impacto emocional do distúrbio. Entre os crimes, figuram abuso sexual e brigas de trânsito.

O que fazer?

Não há cura para a DFT. Mas é possível controlar algumas de suas manifestações, como impulsividade e agressividade, com remédios específicos. “A evolução é mais rápida que a da doença de Alzheimer, e os pacientes são institucionalizados mais precocemente”, alerta Souza.

Sintomas típicos da demência frontotemporal

Depravação
Desenvolve uma conduta sexual inadequada. Pode até cometer abusos criminosos.

Continua após a publicidade

Impulsividade
Faz gastos malucos, vira presa fácil de golpes financeiros e xinga com frequência.

Desinibição
Quase não fica constrangido e se sente próximo de estranhos já no primeiro contato.

Obsessão
Adota hábitos sem sentido, como só comer em dada hora – e da mesma forma.

Dificuldade de julgar emoções
Torna-se incapaz de notar o tom de uma conversa e agir de acordo com asituação.

Leia também: Poluição pode ser responsável por um quinto dos casos de demência

Continua após a publicidade
Publicidade