Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Quase um pâncreas: nova tecnologia promete ajudar os diabéticos

O dispositivo, apelidado de "pâncreas artificial", dá conforto aos pacientes afasta o risco de complicações, como hipoglicemia

Por André Biernath - Atualizado em 14 fev 2020, 18h22 - Publicado em 14 out 2017, 10h34

A empresa de tecnologia Medtronic acaba de lançar no Brasil o Sistema MiniMed 640G, uma espécie de pâncreas artificial concebido para pessoas com diabetes tipo 1. Ele faz a monitorização constante do organismo e libera doses de insulina, responsável por colocar o açúcar dentro das células — os portadores da condição não produzem esse hormônio.

Caso o aparelho perceba uma diminuição da glicemia, interrompe automaticamente o funcionamento da bomba. Assim, evita que episódios de hipoglicemia deem as caras e causem encrencas sérias. “O sistema está mais indicado para crianças, gestantes, pessoas com grande variação nas taxas ou quedas muito severas da glicose e aquelas com problemas nas terminações nervosas”, lista o endocrinologista Marcio Krakauer, da Sociedade Brasileira de Diabetes.

Pâncreas artificial para diabetes
Ilustração: Rodrigo Damati/SAÚDE é Vital

Altos e baixos

Confira as taxas-limite de glicemia para se manter em segurança

Hipoglicemia

Continua após a publicidade

Abaixo de 70 mg/dl

Faixa normal

Entre 70 e 140 mg/dl

Hiperglicemia

Continua após a publicidade

Acima de 140 mg/dl

Publicidade