Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

E os remédios da Covid?

Combate ao coronavírus evoluiu, mas brasileiros praticamente não têm acesso aos medicamentos aprovados

Por Chloé Pinheiro Atualizado em 31 Maio 2022, 15h59 - Publicado em 14 abr 2022, 12h27

Em dois anos de pandemia, habemus tratamento para a Covid-19. A versão grave é enfrentada com sucesso desde 2020 com anti-inflamatórios e suporte de oxigênio, que devem ser oferecidos na hora certa aos internados.

Felizmente, depois das vacinas, ficou bem mais raro que isso aconteça. Mas, como não dá pra dizer que a proteção é 100% e ainda tem gente fugindo das doses, continua necessário buscar medicamentos capazes de impedir a evolução da infecção para um quadro severo.

+ Leia também: Entenda o papel dos anti-inflamatórios no tratamento da Covid-19

A partir do final de 2021, dois antivirais específicos com essa proposta chegaram ao mercado global: o molnupiravir, da MSD, e o Paxlovid, da Pfizer. Nos estudos, eles demonstraram reduzir o risco de progressão da doença em 65 e 89%, respectivamente.

Ambos são indicados a pessoas com maior propensão a casos graves, como indivíduos com comorbidades e aqueles com o sistema imune mais comprometido — o Paxlovid acaba de ser aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pode em breve chegar ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Os anticorpos monoclonais, já liberados pela entidade para esse fim, não foram incorporados à rede pública.

Continua após a publicidade

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Medicamentos reposicionados, como os anti-inflamatórios, são usados mais facilmente no Brasil. Mas os médicos, mesmo de instituições privadas, praticamente ainda não viram os anticorpos monoclonais já liberados, muito menos os novos antivirais.

“Temos, enfim, um tratamento precoce, que está salvando vidas em outros países, mas ainda não acessível aos brasileiros”, sintetiza a pneumologista Letícia Kawano-Dourado, que participa das diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre medicamentos para Covid-19.

No caso dos anticorpos, é provável que nem cheguem a ver, uma vez que vários estão caindo em desuso por não funcionarem contra a variante Ômicron.

Leia também: Para que realmente serve a azitromicina?

azitromicina, cloroquina, anticorpos monoclonais e antivirais
Fontes: Organização Mundial da Saúde (OMS); Rodolfo Bacelar Athayde, pneumologista do Complexo Hospitalar Dr. Clementino Fraga, de João Pessoa / Ilustração: Otávio Silveira
* Medicamentos ainda não incluídos nas diretrizes da OMS Ilustração: Otávio Silveira/SAÚDE é Vital
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês