Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Anvisa aprova uso emergencial do antiviral Paxlovid contra a Covid-19

Enfim, temos um tratamento precoce para frear o coronavírus. Em estudo, ele demonstrou reduzir em 89% o risco de agravamento da infecção

Por Chloé Pinheiro Atualizado em 13 Maio 2022, 15h53 - Publicado em 31 mar 2022, 16h33

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso emergencial do antiviral Paxlovid, da Pfizer, contra o coronavírus. O medicamento é indicado nos primeiros dias de sintomas, somente para indivíduos em alto risco de desenvolver quadros graves de Covid-19

Entram na lista de indicações indivíduos com o sistema imunológico comprometido, idosos e portadores de certas comorbidades, como câncer e doenças renais. Para indivíduos jovens e saudáveis, o remédio não é necessário porque a doença tende a se resolver sozinha na grande maioria dos casos – em especial com o advento das vacinas

O Paxlovid é o primeiro comprimido aprovado no país para ser usado nos primeiros dias de sintomas. Ou seja, um tratamento precoce. Era uma fase da doença para a qual não tínhamos opções eficazes, com exceção dos anticorpos monoclonais, que são caros e devem ser aplicados via infusão intravenosa. 

Pode chegar nos próximos meses, ainda, o antiviral molnupiravir, da MSD, que havia sido pensado originalmente contra o vírus ebola. Ele também demonstrou bons resultados em estudos e está em análise pela Anvisa.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Como funciona o Paxlovid 

Ele é uma combinação de dois princípios ativos,  o nirmatrelvir e o ritonavir. O primeiro já era testado contra a Sars, parente do Sars-Cov-2, e o segundo utilizado no tratamento das infecções por HIV e hepatite C. 

+ Leia também: Remédios contra Covid-19: o que funciona e o que é melhor deixar para lá

A nova molécula é da classe dos inibidores da protease, enzima acionada pelos vírus para eles se replicarem. Quando o patógeno entra no organismo, sequestra nossas células para fazer cópias de si mesmo. É isso que causa a doença e seus sintomas. 

O que os antivirais em geral fazem é interromper algum dos mecanismos usados pelo vírus no processo – nesse caso, a ação da enzima protease. 

Continua após a publicidade

O estudo de fase 2/3 que confirmou a eficácia do medicamento avaliou 2,2 mil pacientes não vacinados, considerados de alto risco para Covid-19 grave. Os voluntários foram divididos em dois grupos, metade tomando placebo, metade tomando o comprimido. 

Foram administrados três comprimidos, duas vezes ao dia, durante cinco dias. No fim da análise, quem tomou Paxlovid apresentou uma redução de 89% no risco de hospitalização ou morte relacionado à doença em comparação com o pessoal do placebo. Os achados foram publicados no respeitado New England Journal of Medicine.

Mas atenção: a medicação só tem efeito nos primeiros dias de sintomas, quando o problema é a replicação do vírus em si. Quando o quadro já se agravou e a tempestade inflamatória está instalada, o foco do tratamento passa a ser controlar o sistema imune do paciente.

Paxlovid tem a mesma ação da ivermectina? 

Nos últimos meses, tem circulado nas redes sociais uma fake news dizendo que o Paxlovid e o molnupiravir funcionariam da mesma maneira que a ivermectina. Mas os novos remédios têm mecanismos de ação diferentes dos do antiparasitário, comprovados por estudos. 

Como vimos, o Paxlovid foca na enzima protease, produzida pelo coronavírus e outros agentes virais. Já o molnupiravir insere erros no código genético do patógeno. A ivermectina até foi testada como inibidora da protease do Sars-Cov-2, mas não se saiu bem fora dos trabalhos em células isoladas

Compartilhe essa matéria via:

Aliás, recentemente saiu outra prova de sua ineficácia. O estudo, conduzido por brasileiros e também publicado no New England Journal of Medicine, é considerado um dos maiores sobre o tema. Foram analisados mais de 1,2 mil pacientes em alto risco de Covid-19 grave, metade tomando ivermectina, metade tomando um placebo. 

Mais uma vez, o fármaco não demonstrou nenhum efeito em impedir o agravamento ou acelerar a recuperação dos infectados. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)