Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Tai chi chuan e ioga evitam um segundo AVC

As duas práticas de origem oriental se mostraram efetivas na prevenção de um novo derrame

Por André Biernath Atualizado em 23 out 2019, 10h08 - Publicado em 11 fev 2019, 10h04

Cerca de 40% dos pacientes que tiveram um acidente vascular cerebral (AVC) vão sofrer com um segundo episódio. Para piorar, uma nova ruptura ou bloqueio dos vasos sanguíneos do cérebro costumam ser ainda mais drásticos.

Mas há maneiras de manejar os riscos de um derrame por meio do uso de remédios e mudanças no estilo de vida. Nesse contexto, pesquisadores da Universidade Monash, na Austrália, acabam de comprovar que o tai chi e a ioga podem integrar o rol de cuidados.

Após revisar 26 estudos sobre essas atividades, eles concluíram que a dupla ajuda a regular a pressão arterial e baixar o colesterol. “Além disso, minimizam a ansiedade e a depressão, fatores que também estão relacionados ao AVC”, observa a médica Tharshanah Thayabaranathan, principal autora do trabalho.

O que é ioga

Desenvolvida ao longo de milênios na Índia, mescla exercícios físicos e posturais com meditação e treinos de respiração. Hoje em dia, existem diversas vertentes — das mais tradicionais àquelas feitas em pranchas de surfe ou saunas.

E o que é o tai chi chuan

Arte marcial chinesa conhecida como uma forma de meditação em movimento. Braços, pernas e tronco se movem devagar pelo espaço seguindo muitas vezes as orientações de um instrutor. Traz tranquilidade e equilíbrio.

Continua após a publicidade

Mais medidas para reduzir os danos de um AVC

A neurologista Sheila Martins, da Rede Brasil AVC, listou algumas atitudes para driblar um novo derrame. Veja:

Controlar fatores de risco: hipertensão, colesterol alto, diabetes, tabagismo e peso devem ser mantidos sob rédea curta.

Adesão ao tratamento: medicamentos são essenciais para fazer o sangue circular normalmente pela cabeça.

Reabilitação física: sessões de fisioterapia e atividade física ajudam a recuperar a força e tratar as sequelas.

Vigiar os sintomas: perda de força nos braços, dormência e dificuldade para falar exigem socorro imediato.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês