Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

É preciso criar políticas públicas para barrar a obesidade no país

Diversas iniciativas, como o Estatuto da Obesidade e a reforma tributária, podem mudar o cenário desastroso da doença

Por Vanessa Pirolo, coordenadora de advocacy*
Atualizado em 21 ago 2023, 14h25 - Publicado em 19 ago 2023, 09h36

A frequência de excesso de peso na população brasileira é de 57%, sendo maior entre homens (59,9%) do que em mulheres (55%). É o que mostram os dados da última pesquisa Vigitel. Nos últimos treze anos, houve aumento de mais de 72% no diagnóstico de obesidade no país.

As projeções são desastrosas, e os gastos, astronômicos. Em 2030, 68% da população deverá estar com excesso de peso e 26% com obesidade.

A condição está associada ao desenvolvimento de outras doenças crônicas não transmissíveis, como exemplo, diabetes tipo 2, 13 tipos de câncer, hipertensão arterial, problemas de respiração, apneia do sono, doenças cardiovasculares e até mesmo depressão.

De acordo com a pesquisa A Epidemia de Obesidade e as DCNT – Causas, custos e sobrecarga no SUS, em 2019, o gasto anual direto com doenças crônicas não transmissíveis foi de R,8 bilhões.

Continua após a publicidade

Leia também: O que explica o aumento da obesidade entre jovens no Brasil?

Nela, os pesquisadores mostraram que 22% deste valor, ou seja, R$1,5 bilhão podem ser atribuíveis ao excesso de peso e obesidade. Os custos atribuíveis foram mais elevados nas mulheres (R$762 milhões) do que nos homens (R$730 milhões).

Segundo o Ministério da Saúde, a obesidade é influenciada por fatores biológicos e contextuais.

Continua após a publicidade

Por isso, são necessárias ações estruturantes e políticas públicas para promoção da saúde, implementação de medidas de prevenção do ganho de peso excessivo, diagnóstico precoce e cuidado adequado às pessoas com excesso de peso, bem como o estabelecimento de políticas intersetoriais e outras, que promovam ambientes e cidades saudáveis.

+ Leia também: Entre a beleza e o perigo: os riscos dos procedimentos estéticos

Nova campanha em apoio a políticas públicas

Com o intuito de conscientizar a população de que o desenvolvimento da obesidade não se restringe ao sedentarismo e à alimentação inadequada, a Coalizão Vozes do Advocacy em Diabetes e Obesidade promove a campanha Saúde é um direito e a obesidade precisa de tratamento integral.

Continua após a publicidade

A iniciativa reforça a importância do acompanhamento multidisciplinar e traz a questão da gordofobia, forma de discriminação que atinge muitas pessoas com obesidade no mundo todo.

Essa situação pode afetar negativamente a saúde mental e física das pessoas com obesidade, tornando mais difícil para elas controlarem seu peso e manterem hábitos saudáveis.

Esse preconceito pode ser configurado como crime em algumas circunstâncias, como injúria e difamação.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Na saúde, as aparências podem, sim, enganar

Para ajudar no reconhecimento dos direitos da pessoa com obesidade e combater a gordofobia, a Campanha apoia a atualização do Projeto de Lei que cria o Estatuto da Obesidade.

O texto em tramitação promove inclusão, proteção à saúde e a direitos, tratamento adequado, combate ao preconceito, assistência social e trabalho.

Continua após a publicidade

Além disso, para ajudar a reverter este cenário, uma das políticas públicas que está em discussão é a reforma tributária, que inclui o aumento de tributos para alimentos ultraprocessados e diminuição dos impostos dos itens in natura.

Há ainda outras questões que podem ajudar na tarefa de reduzir a incidência da obesidade e promover melhor tratamento.

Entre elas, o aprimoramento do protocolo de obesidade do SUS com a inclusão de medicamentos, que ajudem a população a reduzir o peso; o combate à gordofobia; e a criação de políticas públicas que envolvam esporte, educação, infraestrutura (segurança para atividade física) e saúde.

Por fim, é preciso capacitar os profissionais de saúde para que possam disponibilizar o tratamento adequado e digno para os brasileiros com obesidade no país!

*Vanessa Pirolo é coordenadora da Coalizão Vozes do Advocacy em Diabetes e Obesidade

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.